Quais são as doenças mais importantes?

Em um cenário de emergência sanitária provocada pela pandemia de covid-19 e de redução de recursos destinados à ciência, torna-se um grande desafio equilibrar os investimentos nas várias áreas da saúde.

A saúde humana é, há séculos, um dos focos mais importantes das atividades científicas. Depois de enfrentar emergências de grande porte e/ou de importância médica, como peste bubônica, gripe espanhola, cólera, varíola e, mais recentemente, as doenças causadas pelos vírus H1N1, Ebola e Zika, a humanidade hoje se depara com a emergência sanitária provocada pelo SARS-CoV-2. Dado o estado de calamidade imposto pela covid-19, a necessidade de direcionamento de esforços científicos para o combate à pandemia, acima de todas as outras doenças, é indiscutível. Entretanto, é preciso apontar a obviedade de que as outras enfermidades continuarão existindo e, consequentemente, subtraindo vidas. Com razão, grande parte da comunidade científica acompanha com preocupação o impacto que a pandemia terá sobre a maneira pela qual as atividades científicas serão conduzidas, publicadas, reportadas e financiadas.

Como apontado por David Adam no prestigioso periódico científico Nature (n. 588, dezembro de 2020), o estado de pandemia estimula ações positivas. Por exemplo, até abril de 2020, a Comissão Europeia já havia investido mais em pesquisas relacionadas à covid-19 do que o montante gasto nas pesquisas sobre Aids, tuberculose e malária durante todo o ano de 2018, o que acelerou a geração de conhecimento e inovação tecnológica, simbolizada mais expressivamente na produção de vacinas. Não há dúvidas sobre a importância dessas ações, mas há temores sobre a expansão e até mesmo sobre a continuidade de programas de investimento em outras áreas.

Até o início de dezembro de 2020, cerca de 1,5 milhão de mortes foram atribuídas ao SARS-CoV-2. Trata-se da mesma dimensão estimada para mortes anuais em decorrência de infecções causadas por patógenos fúngicos, segundo dados do Fundo de Ação Global para Infecções Fúngicas (Gaffi).

Em hipótese alguma se questiona a urgência do combate à pandemia, assim como não se questiona o valor de qualquer vida humana. Portanto, cada centavo investido em pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação para tratamento, diagnóstico e, principalmente, prevenção da doença causada pelo SARS-CoV-2 é necessário, justificável e mais que bem-vindo. Entretanto, ações dessa natureza não eliminam a necessidade de apoio ao estudo de outras doenças, ainda que se reconheça a enorme dificuldade de obtenção de recursos financeiros para apoio à pesquisa.

Por exemplo, o alto número de pacientes vulneráveis a infecções fúngicas e a menor taxa de desenvolvimento de fármacos antifúngicos, em comparação com outras doenças infecciosas, traz grandes preocupações. É igualmente preocupante a constatação de que as ferramentas hoje existentes para o tratamento de doenças fúngicas são insuficientes, conforme evidenciado pela recente descrição, no Brasil, de um patógeno fúngico multirresistente a drogas denominado ‘superfungo’.

Ainda assim, o investimento em pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação na área de doenças fúngicas é muito inferior ao observado para várias doenças de impacto médico similar. Raciocínio idêntico pode ser aplicado a várias outras doenças, especialmente aquelas que afetam populações negligenciadas. Esse grupo, numeroso no Brasil, é vulnerável a um conjunto grande de doenças que também necessitam de geração de conhecimento e inovação, para que sejam adequadamente enfrentadas.


Como balancear de forma adequada os investimentos em ciência, desenvolvimento tecnológico e inovação em saúde humana? A pergunta é de óbvia complexidade e não há resposta simples

Entretanto, é grave e extremamente preocupante a constatação de que os investimentos públicos em ciência no Brasil estão em queda franca, tendo atingido, em 2020, os patamares de duas décadas atrás. Em um cenário de fortes restrições econômicas, não parece inapropriado antecipar que os investimentos continuarão submetidos a reduções nos próximos anos.

Apresenta-se, portanto, um grande desafio: como balancear de forma adequada os investimentos em ciência, desenvolvimento tecnológico e inovação em saúde humana? A pergunta é de óbvia complexidade e não há resposta simples, especialmente em um cenário de emergência sanitária global e de desafios que se renovam diariamente. Entretanto, seja qual for a resposta mais apropriada, há algo que não pode ser questionado: não será reduzindo investimentos em ciência que avançaremos na nossa capacidade de preservar a saúde humana.

Marcio Lourenço Rodrigues

Instituto Carlos Chagas,
Fundação Oswaldo Cruz (PR)

Matéria publicada em 20.01.2021

COMENTÁRIOS

  • Sou uma leitora e questionadora anônima

    Lendo este texto tão importante sobre pesquisas que não são valorizadas pelos governantes , faço uma pergunta: Não seria melhor investir em ppesquiza do que tratar das doenças? Em todos os paises deveria haver a prevenção. O custo seria menor.

    Publicado em 3 de fevereiro de 2021 Responder

  • Augusto Schrank

    Excelente e oportuna a reflexão do Prof Rodrigues. O desenvolvimento de vacinas na rapidez sem precedentes que vivenciamos reflete investimentos de décadas em ciência básica. Sem esse lastro de conhecimento certamente seriam menores os efeitos dos investimentos emergenciais. O financiamento continuo em ciência e educação é comprovadamente o investimento de maior retorno para a sociedade.

    Publicado em 6 de fevereiro de 2021 Responder

  • eduardo

    de veria ter mais vacinas do covid 19

    Publicado em 10 de fevereiro de 2021 Responder

  • eduardo

    covid gripe febre

    Publicado em 10 de fevereiro de 2021 Responder

  • tçgmewhtb3

    óijpuhdtvgwdsiygvakvb

    Publicado em 12 de fevereiro de 2021 Responder

  • Gabriel viscardi

    Eu achei super interessante e importante saber sobre as doenças

    Publicado em 12 de fevereiro de 2021 Responder

  • Gabriel

    Eu achei super interessante e importante saber sobre essa doenças

    Publicado em 12 de fevereiro de 2021 Responder

  • Gabriel

    Eu achei super interessante e importante saber sobre essa doenças

    Publicado em 12 de fevereiro de 2021 Responder

  • Gabriel

    Eu achei super interessante e importante saber sobre essa doenças

    Publicado em 21 de fevereiro de 2021 Responder

  • Pedro Henrique Soares da Silva

    Achei muito interessante

    Publicado em 4 de maio de 2021 Responder

Responder Cancelar resposta