Keila Grinberg

De outubro de 2008 a dezembro de 2014, a coluna ‘Em tempo’, da historiadora e professora da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) Keila Grinberg, abordou temas ligados à história, sem perder de vista a perspectiva do tempo presente. O acervo, abaixo, está disponível para consulta.

Keila Grinberg

De outubro de 2008 a dezembro de 2014, a coluna ‘Em tempo’, da historiadora e professora da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) Keila Grinberg, abordou temas ligados à história, sem perder de vista a perspectiva do tempo presente. O acervo, abaixo, está disponível para consulta.

Os barbudos de Hobsbawm

Em sua coluna de outubro, Keila Grinberg homenageia ‘o’ historiador, falecido neste mês, por meio de depoimento de seu colega Ricardo Salles, parte de uma geração de estudantes que, nos anos duros de 1970, viam na história um caminho para melhorar o mundo.

Perguntas para fazer a um historiador

Às vésperas dos processos seletivos para programas de pós-graduação em história, Keila Grinberg reflete sobre a escolha dessa carreira, sobre o que faz de um projeto um bom projeto e de um historiador um bom historiador.

Sobre a ditadura e a sociedade

Motivada por recentes manifestações favoráveis e contrárias à investigação de crimes de tortura cometidos durante o governo militar no Brasil, Keila Grinberg comenta, em sua coluna de agosto, o apoio social – ainda que pequeno – a esse regime e às suas práticas.

Para bom entendedor, meia escultura basta

Monumento de guerra no coração de uma das cidades mais progressistas dos Estados Unidos inspira reflexão e a coluna de julho da historiadora Keila Grinberg. Em questão: a vitória da democracia ou a celebração da supremacia norte-americana?

Obra incendiária

Livro lançado nos Estados Unidos exuma fato pouco conhecido da história norte-americana: a ação do governo para atender demandas de saúde de ex-escravos, libertos após a Guerra Civil. A questão, abordada por Keila Grinberg em sua coluna de junho, deve alimentar o atual debate no país sobre reformas na saúde pública.

Vivendo o século 20

Como narrativas pessoais podem iluminar a história ou como a história pode abalar certezas e convicções individuais. A historiadora Keila Grinberg reflete sobre a relação entre biografia e análise histórica a partir do último livro de Tony Judt, recém-lançado nos Estados Unidos.

Disciplina com sentido

Fazer da história um campo de conhecimento com ‘razão de ser’ para toda a sociedade é um dos grandes desafios que os historiadores brasileiros têm pela frente. A questão está no centro das reflexões apresentadas por Keila Grinberg na coluna deste mês.

Historiadores pra quê?

À luz do debate que sacode o campo de história estadunidense sobre a função social dos historiadores, Keila Grinberg contrapõe, em sua coluna de março, as expectativas do graduando em história no Brasil e a realidade que ele encontra depois de formado. A reflexão sugere um novo direcionamento profissional nos cursos de pós-graduação na área.

Open chat