Mais competitividade para a ciência e indústrias brasileiras

A construção do novo acelerador de terceira geração do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), em Campinas, está a pleno vapor. Chamado Projeto Sirius, ele deve ficar pronto em 2016 e estar disponível para toda a comunidade científica em 2017. A informação foi dada por Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho, durante conferência da 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), no Recife. Ele proferiu a palestra ‘O CNPEM (Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais) e o Projeto Sirius’, com apresentação da presidente da SBPC, Helena Nader.

A luz síncrotron (uma radiação eletromagnética de amplo espectro) é usada em várias áreas de pesquisa, como física, química, biologia, geologia, nanotecnologia, engenharia de materiais e até paleontologia. “Essa é a maior vantagem dessa máquina”, disse Carvalho Filho. “Com ela será possível estudar materiais com mais definição e em escala menores.” De acordo com ele, o novo equipamento vai possibilitar acesso a uma enorme área científica, que hoje em dia não é acessível por causa da limitação de energia atual. “Hoje, a colimação do feixe é grande, então o brilho é menor”, explicou. “Estamos trabalhando para termos um brilho maior.”

O acelerador funciona como um gigantesco microscópio, que os cientistas utilizam para enxergar a estrutura atômica e molecular de diferentes materiais

Segundo Carvalho Filho, o acelerador funciona como um gigantesco microscópio, que os cientistas utilizam para enxergar a estrutura atômica e molecular de diferentes materiais, iluminando-os com os diferentes tipos de radiação presentes na luz síncrotron. Pode ser um osso, uma proteína, ou qualquer outra coisa que se queira conhecer nos mínimos detalhes.

O acelerador brasileiro atual, chamado UVX, entrou em operação em 1997. A máquina tem 18 “linhas de luz”, que são as estações de trabalho nas quais os pesquisadores realizam seus experimentos com a luz que sai do anel. Elas funcionam simultaneamente, mas cada uma é otimizada para um tipo de pesquisa.

O Sirius começará a operar com 13 linhas de luz – suficientes, já, para atender toda a demanda atual do UVX –, mas poderá chegar a mais. A nova máquina não será apenas maior, mas também de melhor qualidade do que a atual em vários aspectos, produzindo uma luz muito mais brilhante, que permitirá ampliar consideravelmente o seu leque de aplicações.

Será a única máquina do tipo na América Latina e apenas a segunda no hemisfério Sul – há outra na Austrália. Mais do que isso, suas especificações técnicas deverão colocá-la na linha de frente das melhores fontes de luz síncrotron do mundo.
 
Vivian Costa
Jornal da Ciência

Texto originalmente publicado no JC e-mail 4775.

Veja a cobertura completa da 65ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e confira nossa galeria de fotos do evento.

Matéria publicada em 25.07.2013

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Inovação no ensino de bioquímica

Livro resultante de um projeto que reúne pesquisadores de cinco países, entre eles o Brasil, usa uma abordagem inovadora para ensinar bioquímica a alunos de nível superior na área de saúde.

Parceria contra câncer e bactérias patogênicas

Resultados de estudos sobre os mecanismos de entrada das proteínas virais nas células, feitos por pesquisadores brasileiros e portugueses, deram origem a um projeto para o desenvolvimento de fármacos para o combate de diversas doenças.