A gravidez de um gigante

Questões envolvendo a reprodução de animais extintos sempre mexem com o imaginário dos pesquisadores. Particularmente quando o assunto são os vertebrados que não deixaram descendentes. Nessa categoria se encaixam os plesiossauros – grupo de répteis plenamente adaptados à vida aquática, com os braços e pernas modificados em nadadeiras e cujos restos já foram escavados em diversos continentes, inclusive na Antártica.

Alguns anos atrás, o Museu de História Natural de Los Angeles (LACM), nos Estados Unidos, obteve um exemplar de um desses animais pensando em sua exposição. O que parecia ser mais um plesiossauro encontrado no estado do Kansas (EUA) revelou ser um grande achado, que permitiu solucionar a questão sobre se esses animais postavam ovos ou se eram vivíparos. O estudo, publicado na Science (12/8), foi realizado pelos paleontólogos F. Robin O’Keefe, do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade Marshall (EUA), e Luis Chiappe, do LACM.

O mar interior

O estado do Kansas é conhecido por seus fósseis. Talvez um dos principais seja os do Pteranodon – um réptil voador que podia chegar a mais de sete metros de uma ponta a outra das asas e que invariavelmente aparece em filmes ou desenhos animados envolvendo dinossauros e outros animais extintos.

Apesar de hoje o mar estar longe, no passado, o Kansas e outras regiões centrais da América do Norte eram banhadas pelo que se chama de ‘mar interior’

Apesar de hoje o mar estar bem longe, no passado, o Kansas e outras regiões da parte central do continente norte-americano eram banhadas pelo que se chama de um ‘mar interior’ – uma extensa área alagada unindo o Golfo do México ao Oceano Ártico. Também chamado de Mar de Niobrara, o seu eixo principal (norte-sul) dividia, durante o Cretáceo (100-68 milhões de anos), as regiões oeste e leste dos Estados Unidos. Chegou a atingir mais de 600 metros de profundidade.

Nessas rochas, além de fósseis de pterossauros, são comumente encontrados vestígios de peixes gigantes – alguns passando de cinco metros de comprimento – e restos de répteis marinhos, tais como mosassauros (que estão relacionados aos lagartos) e plesiossauros.

Algo mais entre os ossos

Quando em 1987 Charles Bonner localizou alguns ossos perto de Logan, no Kansas, ele sabia que havia algo importante enterrado ali. A idade das camadas de sedimentos nessa região é de 78 milhões de anos e evidenciam bem o ‘mar interior’ do passado. Após algum tempo, o material foi coletado em 12 jaquetas de gesso pesando algumas centenas de quilos, revelando ser um plesiossauro de médio porte – ‘apenas’ 4,7 metros de comprimento.

Passaram-se alguns anos até que o exemplar começou a ser preparado como parte da renovação da exposição de fósseis do Museu de História Natural de Los Angeles. Peças grandes sempre chamam a atenção do público e aquele réptil marinho não passou desapercebido pelos responsáveis da mostra. Mas a surpresa mesmo veio durante a preparação…

Seria algum outro vertebrado que teria acidentalmente caído sobre o grande plesiossauro antes de ambos serem fossilizados?

Na delicada – e penosa – atividade de retirar a rocha que envolve o fóssil, os preparadores descobriram que, em algumas das jaquetas, havia ossos pequenos que contrastavam com o tamanho do animal em si. Intrigados, os cientistas passaram a monitorar melhor a preparação: seria algum outro vertebrado que teria acidentalmente caído sobre o grande plesiossauro antes de ambos serem fossilizados? Não seria a primeira vez que isso aconteceria.

No entanto, uma nova evidência complicou a interpretação: aqueles pequenos ossos não estavam ‘sobre’ o animal maior, mas sim ‘dentro’ dele!

Comida ou filhote?

Mesmo sem ter conversado com os pesquisadores, consigo imaginar uma mistura de sentimentos antagônicos na equipe. Por um lado, eles fizeram uma descoberta sensacional – restos de um vertebrado dentro da cavidade torácica de um plesiossauro, um fato inédito.

Por outro, eles não tinham dados da coleta de campo daquele exemplar. Como mencionado, o réptil marinho tinha quase cinco metros e fora coletado em 12 jaquetas distintas, cujos encaixes não haviam sido documentados! E os ossos do animal pequeno não estavam articulados, mas sim misturados em três jaquetas distintas. Era necessário determinar a relação desses fósseis entre si e com o animal maior.

Depois de um verdadeiro trabalho de detetive, eles conseguiram concluir a exata posição de todos os ossos do pequeno indivíduo, como também estabelecer a sua identidade: um representante da espécie Polycotylus latippinus – um plesiossauro de pescoço curto. Um detalhe: era da mesma espécie do animal maior.

Então veio a pergunta: o que um exemplar menor de uma mesma espécie estaria fazendo dentro da ‘barriga’ de um maior? Havia somente duas possibilidades: era parte da dieta do animal grande ou então um embrião.

Uma nova e mais intensa atividade, digna de um Sherlock Holmes, se seguiu. Se o pequeno Polycotylus latippinus tivesse servido de presa para o maior – algo inusitado, porém possível, já que os plesiossauros são animais predadores –, então deveriam existir sinais no esqueleto menor. Os principais seriam orifícios na superfície dos ossos indicando que eles foram submetidos à ação de sucos gástricos.

Fósseis reconstituídos de 'Polycotylus latippinus'
Fóssil montado da mãe ‘Polycotylus latippinus’ com o filhote. Para chegar às descobertas feitas e à reconstituição, foi preciso uma investigação digna de Sherlock Holmes e muito trabalho braçal. (foto: LACM)

Não era o caso do nosso pequeno plesiossauro. Essa informação, aliada a outras, não deixava dúvida: a descoberta era uma evidência direta de que, pelo menos essa espécie, dava à luz e não postava ovos, como ocorre na maioria dos répteis.

Mas ainda não acabou…

Nova estratégia reprodutiva

A descoberta também revelou outro aspecto muito importante sobre os plesiossauros: eles possuíam uma estratégia reprodutiva distinta de outros répteis marinhos extintos.

Já existiram casos em que foram encontrados embriões dentro de ictiossauros e mosassauros. Porém, neles havia geralmente muitos fetos, sempre pequenos, que não chegavam a atingir 30% do tamanho do adulto. No caso desse plesiossauro, o embrião é único e tinha perto de um terço do comprimento do indivíduo maior. Os ossos, no entanto, ainda estavam na fase de ossificação. Segundo os pesquisadores, estimativas indicam que, ao nascer, o filhote deveria medir mais de 40% do comprimento da mãe.

Comparando com animais de hoje, esse padrão de dar à luz um filhote único de tamanho comparativamente grande é observado em alguns cetáceos (baleias e golfinhos), particularmente na orca (Orcinus orca). Estes têm um comportamento social intenso – vivem em grupos e cuidam de sua prole –, característica que poderia ser compartilhada pelo Polycotylus latippinus.

Naturalmente, analogias entre grupos tão díspares em termos de anatomia como os plesiossauros e os mamíferos aquáticos são sempre complicadas, mas os pesquisadores, à luz do novo achado, acreditam na possibilidade de os plesiossauros terem exibido comportamentos semelhantes.

Assista ao vídeo do Museu de História Natural de Los Angeles com imagens da exposição do plesiossauro

Alexander Kellner
Museu Nacional/UFRJ
Academia Brasileira de Ciências

Paleocurtas

As últimas do mundo da paleontologia
(clique nos links sublinhados para mais detalhes)

Robyn Pickering (Universidade de Melbourne, Victoria, Austrália) e colegas acabam de publicar na Science a datação precisa do depósito sul-africano Malapa, famoso por seus hominídeos fósseis. Eles puderam estabelecer que Australopithecus sediba possui a idade de 1,977 milhão de anos, sendo, assim, anterior ao primeiro registro comprovado do gênero Homo (ao qual a nossa espécie pertence) na África, candidatando-se a ser seu ancestral.

Błażej  Błażejowski (Instituto de Paleontologia da Academia Polonesa de Ciências) e colegas lançaram mão da tomografia computadorizada na pesquisa de braquiópodos de 4 milhões de anos da Espanha. O artigo, publicado na Acta Palaeontologica Polonica, demonstra como novas tecnologias podem ser aplicadas ao estudo de todo tipo de fósseis, incluindo invertebrados.

A exposição Mundo Jurássico continua viajando o país. Incorporando alguns exemplares do acervo do Museu Nacional/UFRJ, a mostra acaba de ser inaugurada no Shopping Center Iguatemi Campinas.

Acaba de sair na Revista Brasileira de Paleontologia a descrição de novos vertebrados fósseis da Bacia de Lima Campos, situada no Ceará. Na pesquisa, coordenada por Felipe Pinheiro (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), foram encontrados restos de peixes e um osteodermo de um crocodilomorfo.

Pesquisadores acabam de publicar no Swiss Journal of Palaeontology um trabalho onde descrevem, em detalhe, a anatomia do pterossauro brasileiro Tapejara wellnhoferi com base em novos exemplares. Além disso, Kristina Eck (Universidade de Heidelberg, Alemanha) e colegas acreditam ter encontrado mais de um indivíduo na mesma amostra, o que não havia sido registrado até agora.

A descrição de uma planta fóssil de depósitos Jurássicos da Argentina acaba de ser publicada na revista American Journal of Botany. Trata-se de uma nova espécie, Equisetum thermale (Equisetales), encontrada na região de San Agustín (Patagônia). Segundo um dos autores – Alba Zamuer (Universidade de La Plata, Argentina) –, E. thermale vivia em um ambiente bastante inóspito.

Matéria publicada em 09.09.2011

COMENTÁRIOS

Os comentários estão fechados

CONTEÚDO RELACIONADO

Tempestades, enchentes e embriões: um drama pré-histórico

Pesquisadores encontraram centenas de ovos de pterossauros de 120 milhões de anos, alguns contendo embriões preservados em três dimensões. A descoberta, tema da coluna de Alexander Kellner, revela fatos inéditos sobre uma espécie de réptil voador da China.

Bobagens

Muitos ‘sábios’ da língua portuguesa se valem de correlações falsas para explicar a origem de certas palavras ou apontam inadequações de expressões e provérbios consagrados com base em uma análise superficial. Sírio Possenti aponta os absurdos de algumas dessas teses em sua coluna.