A nova fera do Rio Grande do Sul

Poucas vezes fico tão entusiasmado com uma descoberta na paleontologia. Mas essa realizada por Téo Veiga de Oliveira, juntamente com Marina Soares e Cesar Schultz, todos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, e publicada na última edição da revista Zootaxa é absolutamente sensacional. A começar pelo nome da nova espécie encontrada – Trucidocynodon riograndensis –, que em tradução livre já diz tudo: o cinodonte do Rio Grande do Sul que trucidava!

Trata-se de um animal carnívoro que certamente estava no topo da cadeia alimentar

Olhando para a dentição da fera, que viveu há 220 milhões de anos, não existe muita dúvida: trata-se de um animal carnívoro que certamente estava no topo da cadeia alimentar e disputava suas presas com répteis primitivos, incluindo os primeiros dinossauros – que acabavam de fazer o seu début no planeta.

Além disso, o Trucidocynodon riograndensis foi descrito a partir de um esqueleto quase inteiro e outros quatro exemplares incompletos, o que forneceu informações inéditas sobre o restante de seu corpo e permitiu aos pesquisadores, inclusive, inferir como o animal se locomovia.

Fósseis do Trucidocynodon riograndensis
Esqueleto quase completo do ‘Trucidocynodon riograndensis’ encontrado em depósitos do Rio Grande do Sul (foto: Téo Veiga de Oliveira).

Todos esses dados nos dão uma noção mais concreta do aspecto assumido pelas formas basais dos cinodontes – grupo de animais carnívoros que engloba os mamíferos.

Depósitos triássicos gaúchos

Como já comentamos recentemente, a pesquisa de cinodontes primitivos no Rio Grande do Sul tem trazido um importante aporte ao conhecimento desse grupo, com informações preciosas sobre os passos evolutivos dados na direção da origem dos mamíferos.

De uma forma geral, para os estudos sobre cinodontes do Brasil, podemos destacar três importantes pacotes sedimentares formados durante o período Triássico. Eles são classificados em duas formações distintas: Santa Maria e Caturrita.

A parte inferior da Formação Santa Maria tem 230 milhões de anos e era dominada pelos dicinodontes – espécies herbívoras de grande porte que chegavam a passar dos 3 metros de comprimento e, em sua grande maioria, não tinham dentes, exceto por duas presas bem desenvolvidas. Alguns cinodontes também estão representados nesses depósitos, com destaque para a forma carnívora Chiniquodon theotonicus, descrita pelo famoso paleontólogo alemão Friedrich von Huene (1875-1969), que muito atuou no Rio Grande do Sul.

Até então, os cinodontes encontrados que viveram naquela época eram de pequeno porte

Na parte superior da Formação Santa Maria, formada há cerca de 225 milhões de anos, predominam os rincossauros – grupo de répteis primitivos herbívoros bem típicos de depósitos triássicos. Até então, os cinodontes encontrados que viveram naquela época eram de pequeno porte e considerados animais que se alimentavam de insetos ou de carniça.

Já na Formação Caturrita, que tem em torno de 220 milhões de anos, foram registrados vários cinodontes, todos comparativamente pequenos, com menos de um metro de comprimento.

Descoberta inédita

O Trucidocynodon riograndensis foi descoberto na parte superior da Formação Santa Maria, mais precisamente no município de Agudo, localizado 200 quilômetros a leste de Porto Alegre. Essa espécie tinha mais de um metro de comprimento e seu peso estimado variava de 15 a 20 kg.

Esqueleto do 'Trucidocynodon riograndensis'
Reconstrução do esqueleto completo do ‘Trucidocynodon riograndensis’, que chegava a ter 1,20 metros de comprimento da ponta do focinho até a cauda.

Entre suas características mais interessantes estão os dentes incisivos com serrilhas em sua margem posterior. O dente canino – o mais desenvolvido de todos – também tem as margens finamente serrilhadas. Vale destacar que esse tipo de dentição serrilhada é uma feição bem típica de dinossauros carnívoros como o Tyrannosaurus rex e o Pycnonemosaurus e comprova que o Trucidocynodon também era um animal carnívoro.

O pescoço e a região lombar da nova espécie eram compostos por 32 vértebras – um número elevado quando comparado às de outros cinodontes. Além disso, os pesquisadores concluíram que as feições presentes nos membros anteriores do Trucidocynodon indicam que o animal caminhava apoiado nos dedos das patas anteriores, traço bem típico dos mamíferos (e ausente em cinodontes mais basais). Essa característica sugere que a nova fera era bastante ágil e possivelmente veloz.

Tomando por base as características dos dentes (além de outras feições do crânio) e do corpo do Trucidocynodon, os cientistas estabeleceram que ele foi um predador feroz. Qual teria sido o seu alimento? Possivelmente outros cinodontes menores, mas também rincossauros (abundantes naquele depósito) e, quem sabe, até filhotes de dinossauros.

Crânio e mandíbula de Trucidocynodon riograndensis
Crânio e mandíbula da nova espécie de cinodonte encontrada no Brasil. A dentição revela um animal carnívoro (foto: Téo Veiga de Oliveira).

Parente próximo na Argentina

Téo e colaboradores também procuraram estabelecer as relações de parentesco do Trucidocynodon e concluíram que a forma brasileira está relacionada à espécie Ecteninion lunensis, de menor porte, encontrada na Formação Ischigualasto, da Argentina. Os dois animais têm dentição similar, entre outros traços em comum, e podem representar um novo grupo de cinodontes carnívoros.

A forma brasileira está relacionada à espécie Ecteninion lunensis, de menor porte, encontrada na Argentina

Os estudos desses e de outros fósseis encontrados nos depósitos triássicos do Brasil e da Argentina indicam uma acentuada mudança ambiental ocorrida no início do Triássico Superior. Mais especificamente, entre 227 e 220 milhões de anos atrás, as condições mais áridas deram lugar a um ambiente mais úmido.

Nesse cenário, partindo do princípio de que essas mudanças ambientais afetaram o Brasil e a Argentina ao mesmo tempo, o Trucidocynodon teria se desenvolvido em um ambiente mais úmido do que seu parente mais próximo, o Ectininion. Levando em conta que a Formação Ischigualasto tem cerca de 230 milhões de anos, não há como deixar de especular se as formas argentinas em algum momento teriam dispersado para o Brasil, incluindo os ancestrais do Trucidocynodon riograndensis.

Apesar de ser um trabalho complicado e que envolve um grande grau de incerteza, é a comparação de faunas (e floras) que permite aos pesquisadores tentar detalhar com um pouco mais de precisão as mudanças ocorridas no nosso planeta durante o período Triássico. Assim como as que ocorrem atualmente, essas mudanças afetaram os ecossistemas terrestres e influenciaram a evolução das espécies animais e vegetais.

 

Alexander Kellner
Museu Nacional/ UFRJ
Academia Brasileira de Ciências

 

Paleocurtas

As últimas do mundo da paleontologia
(clique nos links sublinhados para mais detalhes)

Brian Andres (Universidade de Yale, Estados Unidos) e colegas acabam de descrever um novo pterossauro da China no Journal of Vertebrate Paleontology. Sericipterus wucaiwanensis foi encontrado em rochas formadas há cerca de 160 milhões de anos na região de Wucaiwan, província de Xinjiang. Com aproximadamente 1,7 metros de uma ponta à outra da asa, esse réptil voador é um dos maiores pterossauros primitivos já encontrados.

 

A descrição de mais um importante sítio geológico a ser preservado foi publicada pela Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e Paleobiológicos (Sigep). Trata-se de um afloramento chamado de Oiti e situado no município de Pimenteiras, no Piauí, onde estão preservadas dezenas de invertebrados fósseis, incluindo braquiópodes, bivalves e gastrópodes. Esses fósseis comprovam a existência de um extenso mar durante o período Devoniano na região nordeste do Brasil. O trabalho foi realizado por Luiza Ponciano (Instituto de Geociências da UFRJ) e colaboradores.

No dia 09 de março começa o curso Introdução ao estudo das geociências, promovido pelo Centro Brasileiro de Arqueologia e coordenado pelo pesquisador Benedicto H.R. Francisco. As aulas serão ministradas às terças-feiras no Departamento de Recursos Minerais (DRM), situado na Avenida Marechal Deodoro, 351, Niterói, RJ. Mais informações podem ser obtidas na página virtual do Centro Brasileiro de Arqueologia ou pelo endereço eletrônico: cba@cbarqueol.org.br.

A Fiocruz acaba de inaugurar a exposição Pré-história no Brasil: dinos e outros fósseis. Em exibição na sala de exposição do Museu da Vida/Fiocruz, a mostra apresenta diversos fósseis e réplicas de distintos depósitos brasileiros e inclui uma escavação para crianças. O Museu da Vida fica na Av. Brasil, 4.365, Manguinhos (RJ) e a exposição tem entrada gratuita.

A Sociedade Brasileira de Paleontologia publicou um volume sobre o período Quaternário do Rio Grande do Sul. Organizada pelas pesquisadoras Ana Ribeiro, Soraia Bauermann e Carolina Scherer, a publicação conta com 17 trabalhos divididos nos temas: geologia, fauna e flora – atual e fóssil – e arqueologia.

Foi concluída no domingo, dia 28 de fevereiro, a votação sobre a principal descoberta paleontológica de 2009. O vencedor foi a pesquisa realizada por Etiene F. Pires e Margot G. Sommer sobre a interação de insetos e troncos de árvores há 140 milhões de anos na Bacia do Araripe, no estado do Ceará. Parabéns para as colegas! Mais detalhes no blogue Conexão CH

Matéria publicada em 02.03.2010

COMENTÁRIOS

Os comentários estão fechados

CONTEÚDO RELACIONADO

Tempestades, enchentes e embriões: um drama pré-histórico

Pesquisadores encontraram centenas de ovos de pterossauros de 120 milhões de anos, alguns contendo embriões preservados em três dimensões. A descoberta, tema da coluna de Alexander Kellner, revela fatos inéditos sobre uma espécie de réptil voador da China.

Bobagens

Muitos ‘sábios’ da língua portuguesa se valem de correlações falsas para explicar a origem de certas palavras ou apontam inadequações de expressões e provérbios consagrados com base em uma análise superficial. Sírio Possenti aponta os absurdos de algumas dessas teses em sua coluna.