A nova face de robert hooke

Em março de 2003 completam-se 300 anos da morte de Robert Hooke, um dos maiores cientistas do Renascimento. Suas contribuições em diversos ramos da ciência lhe valeram o apelido de Da Vinci britânico, mas não trouxeram reconhecimento. Para mudar esse quadro, o Instituto de Física do Reino Unido acaba de lançar uma campanha para resgatar sua memória. A divulgação de um retrato, que vem suprir a escassez de imagens de Hooke, foi o pontapé inicial do projeto, que prevê ainda a condecoração com uma placa.

O novo retrato de Robert Hooke, elaborado por Rachel Chapman a partir da descrição de amigos – “[ele é] algo curvado, tem o rosto pálido, (…) sua cabeça é grande, seus olhos cheios e salientes (…) e de cor cinza”

A imagem de Hooke é baseada em descrições de dois de seus melhores amigos e ilustrará sua nova biografia, a ser lançada em breve. “É um mistério não haver nenhum retrato de Hooke, ele era um homem notável”, diz Allan Chapman, especialista na vida do cientista e autor da biografia. Uma das hipóteses é que Isaac Newton (1642-1727), rival de Hooke, teria destruído todos os retratos dele após a sua morte.

Hooke nasceu em 1635 na ilha inglesa de Wight e começou sua carreira científica como assistente do químico Robert Boyle (1627-1691). Em 1658, construiu a bomba de ar que permitiu a formulação da Lei de Boyle: em temperatura constante, a pressão de uma dada quantidade de ar varia na medida inversa de seu volume. Por isso, alguns historiadores acreditam que a lei deveria ser atribuída também a Hooke.

A versatilidade do cientista — motivo da comparação com Leonardo da Vinci — era também um defeito. Uma vez descoberto o princípio básico do fenômeno que chamava sua atenção, Hooke perdia o interesse por ele; assim, outros cientistas desenvolviam suas idéias e ficavam com o mérito. Esse foi o caso da panela de pressão e da válvula de segurança, desenvolvidas pelo francês Denis Papin (1647-1712) a partir da bomba de ar elaborada por Hooke. O mesmo ocorreu anos depois com a utilização das molas espirais em relógios, que ele desenvolveu mas não patenteou, o que foi feito pelo astrônomo dinamarquês Christian Huygens (1629-1695).

 

Hooke criou microscópios e fez importantes observações nesses instrumentos (ao centro, desenho de uma cortiça analisada por ele). Algumas delas estão reunidas no livro Micrographia , cujos textos abrangem da física à fisiologia

O embate mais famoso de Hooke ocorreu com Newton. Os dois se odiavam desde 1672, quando Hooke, curador de experiências da Sociedade Real para Promoção do Conhecimento Natural de Londres, criticou duramente os estudos sobre ótica que Newton entregara à entidade. Em 1680, Hooke estudava a atração gravitacional e, apesar da relação conturbada, escreveu a Newton a fim de discutir suas teorias, sem obter resposta. Anos mais tarde, Newton publicaria seu livro mais conhecido — os Principia Mathematica –, que, entre outros, explicava o funcionamento do Sistema Solar com base em alguns princípios enunciados por Hooke, embora não o mencionasse.

 

Hooke fez diversas outras observações em física e astronomia, entre as quais se destacam a análise da superfície lunar e a explicação sobre a origem das crateras, aceita até hoje. Também fez incursões na microbiologia, com experimentos que vão da elaboração de microscópios ao estudo da anatomia dos insetos e das penas de aves. Além disso, atuou nas artes e arquitetura, medicina, geologia e citologia — foi ele o primeiro a utilizar o termo célula com a mesma aplicação atual.

Gisele Lopes
Ciência Hoje on-line
10/03/03