A zona por trás da revolução industrial

James Watt, o engenheiro escocês responsável pela máquina a vapor que deu origem à Revolução Industrial, é a prova de que nem todo mundo precisa de um ambiente de trabalho organizado para ser produtivo e genial. Pelo menos é o que se pode concluir de uma visita à sua oficina, que foi recriada com as peças originais e exposta no Museu de Ciência de Londres.

Considerado um herói no século 19, Watt – cujo nome deu origem à medida de potência que usamos hoje – não inventou a máquina a vapor. Mas foi ele quem a aperfeiçoou, criando um condensador de vapor separado que aumentou a produtividade e permitiu que o vapor fosse usado não somente em minas de carvão mas também em moinhos, fábricas, olarias etc. 

Considerado um herói no século 19, Watt não inventou a máquina a vapor, mas foi ele quem a aperfeiçoou

Em outras palavras, sua invenção permitiu que a Revolução Industrial acontecesse… a todo o vapor!

Logo após a sua morte, em 1819, a sala em que ele trabalhava foi mantida intocada no sótão de sua casa em Birmingham (Inglaterra), recebendo visitantes ocasionais pelos 100 anos seguintes. Porém em 1924, um ano antes de a casa ser demolida, a oficina foi desmontada e todo o seu conteúdo, incluindo a porta e a janela, foi transferido para o Museu de Ciência.

Depois de anos exposta sem muito destaque, este ano o museu decidiu colocá-la em um lugar de honra. A bancada central foi retirada para que os visitantes possam ‘entrar’ na oficina. 

Acompanhe a CH On-line em um passeio pela oficina de Watt

Quem guarda tem

A ideia é permitir uma visita ao espaço do jeito que era quando Watt ainda trabalhava lá. De acordo com os curadores, entre as centenas de objetos nas prateleiras, tem coisa que até hoje ninguém sabe muito bem para que serve. Foram catalogados nada menos que oito mil itens, algumas peças nas quais Watt tinha trabalhado 60 anos antes e ainda estavam ali, ao alcance da mão.

Entre as centenas de objetos nas prateleiras, tem coisa que até hoje ninguém sabe muito bem para que serve

Por todos os lados se veem bustos do próprio inventor. Um dos últimos projetos de Watt foi inventar uma máquina que reproduzisse esculturas. É possível ver a tal máquina, completa, com um pano amarrado na parte em que ele costumava bater com a cabeça ao se levantar. Conta-se que ele costumava produzir cópias em miniatura de seu próprio busto e presentear a amigos, dizendo que eram “obras de um jovem artista que recentemente fez 83 anos”.

Bustos de Watt
Na exposição, há uma série de bustos do próprio inventor e a máquina utilizada para produzi-los. Conta-se que Watt costumava produzir cópias em miniatura de seu próprio busto e presentear a amigos. (foto: Barbara Axt)

James Watt ficou rico com suas invenções e se tornou tão famoso na época que chegou a ganhar uma estátua na Westminster Abbey (que, reza a lenda, era tão grandiosa e pesada que rachou o piso da abadia).

No próximo mês começam a circular na Inglaterra as novas notas de £50, que têm a imagem de James Watt ao lado de seu sócio, Matthew Boulton.

Barbara Axt
Ciência Hoje On-line