Homem do jogo: elano

Quando o comentarista diz que  “o Elano não aparece muito no jogo, mas é fundamental taticamente para o time”, sua fala pode soar como palavras ao vento, um mero ‘achismo’. Mas um estudo que acaba de ser publicado ajuda a dar um verniz científico a afirmações como essa. 

A equipe do pesquisador português Luís Amaral, do Departamento de Engenharia Química e Biológica Universidade Northwstern, nos Estados Unidos, desenvolveu um programa de computador capaz de medir, com mais precisão do que as estatísticas convencionais, o desempenho de cada jogador.

As estatísticas das atuações individuais dos jogadores em outros esportes são muito mais completas do que no futebol

A motivação da pesquisa, que saiu no periódico científico PLoS One [PDF], surgiu da observação de que as estatísticas das atuações individuais dos jogadores em outros esportes (como beisebol e basquete) são muito mais completas do que no futebol.

Então, veio a ideia: por que não, em vez de se concentrar em quem fez o gol e em quem deu o passe para a finalização, focar no fluxo da bola no campo? Afinal, é ela o centro de tudo. 

Com a curiosa assistência de algoritmos similares aos usados na rede social Facebook, os pesquisadores criaram um meio de tornar o jogo uma grande ‘rede’ em que o caminho que a bola faz tem papel fundamental.

Cada passe certo, seja no ataque ou na defesa, é quantificado. Uma complexa equação que mistura passe + movimentação em campo + interação entre o jogador que tocou a bola e o que a recebeu é posta em prática. No final, nem sempre o autor do gol é o ‘homem do jogo’. Às vezes, o troféu vai para o jogador que dá mais passes certos.

Eurocopa: teste bem-sucedido

Os cientistas usaram os jogos da última edição da Eurocopa (considerada o segundo torneio mais importante do mundo, depois da Copa) para testar o programa desenvolvido por eles.

Aplicado às partidas desse torneio, o programa permitiu traduzir em números a boa atuação da campeã Espanha e ratificar o bom desempenho de destaques como o espanhol Xavi Hernandez ou o alemão Michael Ballack.

– Estatísticas simples como número de assistências, número de chutes ou o número de gols raramente fornecem uma medida confiável do impacto real de um jogador sobre o resultado da partida – diz uma passagem do artigo.

Assim, o método proposto pelos pesquisadores ajuda a dar a real dimensão da contribuição de jogadores que são essenciais para uma equipe, mas que nem sempre são lembrados nas listas de craques.

Conclusão: não subestime o Elano. 


Thiago Camelo
(Ciência Hoje On-line)