Mais que inspiração, uma presença

Machiavel e o Brasil: assim foi denominado o primeiro livro de Octavio de Faria. Publicado em 1931, pela editora Schmidt, obteve grande repercussão na época, a ponto de ter sido reeditado dois anos depois. O autor era ainda estudante de direito quando escreveu esse estudo sobre o país. Ao inscrever Maquiavel já no título, declarava sua fonte de inspiração e o tema de sua obra. Definiu sua análise, tal como ensinara o mestre, como um ato de coragem e como uma investida contra vários preconceitos. A coragem resultava do fato de “dizer as coisas como elas lhe parecem ser, como muitos pensam, mas não ousam dizer, senão em particular”. O ataque a preconceitos justificava-se como condição para que se fizesse um diagnóstico realístico e, em decorrência, se concebessem soluções capazes de alterar aquela realidade.

Tais qualidades – coragem e investida contra preconceitos – apoiavam-se nos ensinamentos de Maquiavel. Faria, pensador católico nascido no Rio de Janeiro em 1908, encontrava em O príncipe, escrito em 1513, os fundamentos para a construção de uma imagem realística da sociedade e do Estado. Maquiavel descrevera o desequilíbrio que marcara o Renascimento italiano. Octavio de Faria se propunha a traçar o desequilíbrio brasileiro de sua época. 

Segundo Octavio de Faria, não teria ocorrido entre nós um processo civilizatório, formador da nacionalidade e fomentador de um país com expressão mundial

Na leitura de Octavio de Faria sobre Maquiavel, o desequilíbrio retratado pelo florentino se manifestava na imoralidade, na intriga, na usurpação, na baixeza moral, no vício. Para conseguir a estabilidade seria necessário impedir que a sociedade percorresse seu curso natural. Seria imperiosa uma intervenção, ou seja, um ato deliberado. Daí afirmar que só a política, ou, mais precisamente, o poder seria capaz de trazer a ordem, dominando a anarquia, esta sim natural.

Esses corolários orientam a interpretação octaviana sobre o Brasil desde a época colonial até a Primeira República. Sua análise descreve um país dominado pelo mais absoluto acaso. Em vez de uma nação, afirmava ele, havia um aglomerado de indivíduos. O atraso se revelaria em todos os aspectos: econômico, social e político. Em síntese, concluía, não teria ocorrido entre nós um processo civilizatório, formador da nacionalidade e fomentador de um país com expressão mundial. “São três séculos de inação, de preguiça, de submissão ao clima e às condições de transporte ainda muito rudimentares.”

Estado tutelar

Esse diagnóstico tinha pontos de convergência com o pensamento autoritário que se formou a partir da segunda década do século 20 e conquistou hegemonia após a Revolução de 1930. Os ideólogos de então, críticos do modelo de 1891, compartilhavam o ataque ao liberalismo, ao capitalismo. Teorias anti-iluministas, anti-individualistas e anti-utilitaristas exerceram forte influência. Em decorrência, a solução amplamente defendida sustentava a necessidade de um Estado tutelar. 

bandeira brasileira
À imagem de ‘O príncipe’, que descreve o desequilíbrio que marcou o Renascimento italiano no século 16, Octávio de Faria se propôs a traçar o desequilíbrio brasileiro de sua época. (foto: Sxc.hu)

Isso não significa dizer que não houvesse divergências. Ao contrário, no interior dessa ampla corrente antiliberal, as diferenças existiam e tornaram-se cada vez mais claras. Tais discordâncias se explicitavam nas distintas concepções sobre os mecanismos vistos como imprescindíveis para o fortalecimento do Estado e, sobretudo, nos espaços admitidos para a manifestação e organização dos interesses da sociedade civil. Naquele embate político-ideológico acabou por se impor o autoritarismo de tipo desmobilizador. 

Em sua crítica ao liberalismo republicano, Octavio de Faria acentuava traços de natureza moral

Oliveira Vianna converte-se no ideólogo do Estado Novo, transformando-se no mais importante intelectual da primeira metade do século 20. Como consequência, outras propostas e grupos perderam força. A situação de vencido na arena de poder implicará o confinamento de todos aqueles que, embora autoritários, não concordavam inteiramente com o ideário que poderia ser retirado, especialmente, do autor de Populações meridionais do Brasil e de O idealismo na Constituição, obras que Oliveira Vianna publicou em 1920. Sublinhe-se que após a Revolução de 1930, ele ocupou postos centrais na administração pública.

É exatamente na condição de perdedor que se encontrará Octavio de Faria e seu grupo – que tinha, entre seus maiores expoentes, Jackson Figueiredo e Tristão de Athayde – alinhado à reação espiritualista. Essa corrente, em sua crítica ao liberalismo republicano, acentuava traços de natureza moral.

Interpretação heterodoxa

Mas voltemos ao Maquiavel de Octavio de Faria. Trata-se, sem dúvida, de uma interpretação que especialistas julgariam próxima à heterodoxia. Na ótica de Octavio de Faria, os ensinamentos de Maquiavel levam à valorização da política e a uma análise da realidade tal como ela é, e não como se gostaria que ela fosse. 

arena
Os ensinamentos de Maquiavel levam a avaliar a realidade como ela é: uma situação de desordem, sobretudo nos aspectos morais. Essa análise leva Faria a reclamar por uma regeneração que ora dará ao Estado poderes para tal, ora colocará a solução fora da arena pública. (foto: D. Swift/ Wikimedia Commons – CC BY 2.5)

Essas proposições levam o pensador católico a identificar a realidade de sua época como uma situação de desordem. Mas essa percepção resulta, contudo, de um peso acentuado nos aspectos morais. A imprecação contra a imoralidade leva-o a reclamar por uma regeneração que ora dará ao Estado poderes para tal, ora colocará tal solução fora da arena pública, já que é de natureza privada. 

Além desse aspecto, segundo a leitura octaviana, Maquiavel distingue o indivíduo da massa. Todavia, ao privilegiar esse aspecto, Faria conferirá a esse indivíduo todas as características do personalismo próprio do neotomismo. 

Maquiavel, mais do que inspiração, é uma presença. Uma presença obrigatória, mesmo se não reconhecida como tal

Esse “homem de exceção” saberia reconhecer o valor do mundo sobrenatural. A distinção entre o plano religioso e o político levaria a se localizar o reino da moral dentro de cada consciência, num círculo de diâmetro maior, subordinando, assim, a política ao plano espiritual. Nessa concepção, caberia ao mecanismo moral assegurar o bom funcionamento do plano temporal, orientando as regras de caráter político, dessa forma impedindo que o indivíduo dê vazão às suas más qualidades.

A despeito das limitações e críticas possíveis à interpretação que Octavio de Faria faz de O príncipe, é inegável que o pensador católico contribuiu para a divulgação de Maquiavel em um momento de nossa história em que sequer havia tradução para o português das obras do autor florentino.

Hoje, passados tantos anos e, mais importante ainda, com a criação e consolidação de cursos de ciências sociais e o desenvolvimento da ciência política, poucos discordariam de que Maquiavel é o fundador da análise realista, da autonomia da esfera do político, dos paradigmas que ao descartar os idealismos nos impõem a análise da política como ela é. Maquiavel, mais do que inspiração, é uma presença. Uma presença obrigatória, mesmo se não reconhecida como tal. Como expresso na lápide de seu túmulo: Tanto nomini nullum por elogium (Nenhum elogio está à altura de tão grande nome).  

Maria Tereza Aina Sadek
Departamento de Ciência Política
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
Universidade de São Paulo

Matéria publicada em 25.12.2013

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Inovação no ensino de bioquímica

Livro resultante de um projeto que reúne pesquisadores de cinco países, entre eles o Brasil, usa uma abordagem inovadora para ensinar bioquímica a alunos de nível superior na área de saúde.

Parceria contra câncer e bactérias patogênicas

Resultados de estudos sobre os mecanismos de entrada das proteínas virais nas células, feitos por pesquisadores brasileiros e portugueses, deram origem a um projeto para o desenvolvimento de fármacos para o combate de diversas doenças.

Open chat