Arqueologia voadora

Tempos atrás aviões de controle remoto eram considerados apenas brincadeira de criança. Hoje em dia esse tipo de tecnologia é utilizado em aplicações sérias como em operações militares, na agricultura e até na exploração do passado da civilização humana. Na arqueologia, o uso de veículos aéreos não tripulados – os famosos drones – tem crescido, permitindo tornar mais ágil o mapeamento de sítios arqueológicos e prestando inestimável auxílio a arqueólogos de vários cantos do mundo na exploração de regiões perdidas no tempo.

Uma das necessidades básicas no estudo de áreas enormes, repletas de ruínas, como antigas cidades abandonadas, é a construção de um mapa detalhado desses sítios. Para isso, os arqueólogos tradicionalmente utilizam pipas ou balões com câmeras fotográficas acopladas, uma técnica bastante trabalhosa e demorada. Os drones controlados remotamente são mais rápidos e precisos no serviço: registrando tudo em fotos de alta resolução, eles ajudam a reconstruir os terrenos por onde andaram nossos antepassados.

Os arqueólogos tradicionalmente utilizam pipas ou balões com câmeras fotográficas acopladas, uma técnica bastante trabalhosa e demorada. Os drones controlados remotamente são mais rápidos e precisos no serviço

“Trabalhar com pipas e balões era um pesadelo!”, recorda Kasper Hanus, arqueólogo polonês associado à Universidade de Sydney (Austrália). Ele utiliza drones nas ruínas de Angkor, no Camboja, onde há muito tempo existiu o chamado Império Khmer. Em Angkor, foram encontradas mais de mil ruínas de templos, como o Angkor Wat, considerado um dos maiores monumentos religiosos do mundo. “Precisávamos de vento adequado para mover as pipas e tínhamos que carregar as garrafas de hélio para encher os balões em campo; era tudo muito difícil. Os drones são mais fáceis de controlar e muito mais eficientes”, conta ele.

Para a engenheira norte-americana Julie Ann Adams, do Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, outra grande vantagem é o tempo – em apenas dez minutos é possível mapear sítios inteiros, segundo ela. “Os veículos têm a possibilidade de filmar as áreas estudadas, mas preferimos que tirem fotos de todo o lugar. Depois, baixamos para um computador para a construção de mapas em 3D”, explica ela. A engenheira utiliza drones para estudar a ruína de Mawchu Llacta, cidade inca misteriosamente abandonada no Peru.

Além de economizar tempo e tirar fotos precisas, os drones aparecem como uma alternativa barata. O modelo adotado por Hanus em suas pesquisas custou três mil euros e pode voar por vinte minutos. “Mas os preços variam muito: você pode comprar um por duzentos euros em uma loja de brinquedos ou um profissional por cinquenta mil euros”, esclarece o arqueólogo.

Já Adams utilizou, no princípio, um modelo de drone chamado Skate e depois construiu seu próprio veículo aéreo, ambos com autonomia de 15 minutos. O primeiro modelo, profissional, custou trinta mil dólares, mas para construir o segundo a pesquisadora diz que foram necessários apenas mil dólares. “Quando adquirimos o modelo Skate, ainda não havia a disponibilidade de peças para construção de uma aeronave própria, mas essa tecnologia vem se tornando bastante acessível”, afirma. “O custo de produção desse veículo tem caído muito nos últimos anos e é bastante fácil construir um.”

Drone
Drone fabricado por pesquisadora norte-americana para uso próprio sendo posto para voar. Barateamento da tecnologia e facilidade de criação devem fazer dos drones presença constante nos sítios arqueológicos no futuro. (foto: Steven Wernke)

Apesar dos benefícios e da economia que essas aeronaves podem trazer para as pesquisas em arqueologia, no Brasil a sua adoção nesse campo ainda engatinha. Por aqui, drones voadores têm sido muito aplicados em áreas como a agricultura, mas seu uso arqueológico ainda é raro.

Uma das poucas exceções é o geólogo Julio Cezar Rubin, da Pontifícia Universidade Católica de Goiás, que planeja utilizar drones para complementar informações de campo e imagens de satélite em suas pesquisas com arqueologia pré-histórica no estado de Goiás. “Inicialmente pretendemos alugar um equipamento, que já está disponível no país em várias versões, e verificar a sua aplicabilidade; dependendo dos resultados, vamos comprá-lo”, conta.

Se os drones voadores ainda são raridade, uma tecnologia semelhante, que utiliza pequenos robôs terrestres de controle remoto, já tem sido usada no Brasil em áreas como a paleontologia. As pequenas máquinas são capazes de entrar em lugares de acesso difícil ou perigoso, como cavernas, para documentarem seu interior com fotos e vídeos sem colocar em risco vidas humanas. O barateamento das tecnologias utilizadas nesse tipo de equipamento deve tornar mais comum a presença desses úteis robôs nos sítios de pesquisa nacionais e internacionais num futuro não muito distante.

Isabelle Carvalho
Ciência Hoje On-line

Clique aqui para ler o texto que a CHC preparou sobre esse assunto.

Matéria publicada em 29.09.2014

COMENTÁRIOS

  • Joriscleide

    Uma merda fii

    Publicado em 2 de outubro de 2019 Responder

  • creulina

    odeio escolaaaa

    Publicado em 7 de outubro de 2019 Responder

  • roililde

    alguem me tira daquiiii

    Publicado em 7 de outubro de 2019 Responder

    • jubileuda

      ooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaooooooooooooooooooooooooooooooooooooo jubileudaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa jubileudaaaaaaaaaaaaaaaaa uhullllllllllllllll

      Publicado em 7 de outubro de 2019 Responder

  • jubileuda

    aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa doidaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa creulinaaaaaaaaaaaaaaaaa

    Publicado em 7 de outubro de 2019 Responder

  • Jusca

    afffffffffff me ajudaaaaaaaaaaa socorro affffff me ajudem me tirem do tediuuuuuuuuuuuuuu!

    Publicado em 7 de outubro de 2019 Responder

    • haja

      eu tiro jusquinha!

      Publicado em 7 de outubro de 2019 Responder

  • jurilde

    ooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaoooooooooooooooooooooooooooooooooaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaoooooooooooooooooooooooooooooooooo tudo bommmmmmmmmmmmmmm

    Publicado em 7 de outubro de 2019 Responder

  • creulinda

    oie juscaaa tedio tambemmm scrr

    Publicado em 7 de outubro de 2019 Responder

  • craudette

    oi jubileudaaaaa

    Publicado em 7 de outubro de 2019 Responder

    • Anônimo

      oiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

      Publicado em 7 de outubro de 2019 Responder

  • Anônimo

    ju-bi-leuda ju-bi-leudaaaaa o-e-o o-e-o yeyehyeyeyey

    Publicado em 7 de outubro de 2019 Responder

  • jurildeia

    ju-ril-deiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

    Publicado em 7 de outubro de 2019 Responder

  • mmbb producoes

    oi
    sonooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo

    Publicado em 16 de outubro de 2019 Responder

  • MBB Produções

    Olá Somos a MBB produções . Adoramos esse Artigo e achamos ele muito relevante para a atualidade.
    o assunto tradado no texto mostra que a arqueologia evolui com a tecnologia.
    Nos somos uma agencia da Millie Boby Brown aqui no brasil.
    Don’t forget to follow us on Instagram!
    @mbbproduction

    Publicado em 16 de outubro de 2019 Responder

  • georgio

    quesoooooooooooooooooo

    Publicado em 16 de outubro de 2019 Responder

  • georgio

    obrigada pela resposta mbb produçoes nem sei quem e essa millie boby brum

    Publicado em 16 de outubro de 2019 Responder

  • julia

    mbb producoes é a melhor
    mostr tds as novidades da millie: series, filmes td td msm

    Publicado em 18 de outubro de 2019 Responder

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Estratégia antiviral polivalente

Estudo feito por pesquisadores de Brasil e Portugal identifica moléculas promissoras para o desenvolvimento de fármacos e vacinas contra diversos tipos de vírus.

Inovação no combate a doenças neurológicas

Novas estratégias para o transporte de fármacos até o cérebro abrem portas para o desenvolvimento de terapias para doenças como a de Alzheimer e tumores cerebrais.

Abrir Chat