Bode expiatório da floresta

Espécies invasoras, que se instalam em um ambiente que não é seu, geralmente desequilibram o ecossistema local. O sagui, trazido para o Sudeste por imigrantes nordestinos há pelo menos um século, é um desses casos. Hoje, o pequeno primata vive pendurado em fios de luz e também nos fragmentos de mata nas cidades.

Se não bastassem os distúrbios que o pequeno primata causa no ambiente urbano, ambientalistas têm apontado – como a Ciência Hoje já mostrou – que a presença desse invasor pode ser negativa para espécies nativas, especialmente aves, pois ovos e pequenos pássaros fazem parte da dieta do sagui. Mas será que só malefícios podem ser colocados na conta do bichinho?

Um biólogo da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro foi procurar resposta em um material inglório: as fezes dos saguis-de-tufo-branco (Callithrix jacchus) que se instalaram na floresta da Tijuca, no Rio de Janeiro. Ele descobriu que o animal tem importante papel ecológico, ao ajudar na dispersão de sementes.

Saiba mais sobre as conclusões da pesquisa no vídeo abaixo

 

Sofia Moutinho
Ciência Hoje On-line

Matéria publicada em 14.01.2015

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Estratégia antiviral polivalente

Estudo feito por pesquisadores de Brasil e Portugal identifica moléculas promissoras para o desenvolvimento de fármacos e vacinas contra diversos tipos de vírus.

Inovação no combate a doenças neurológicas

Novas estratégias para o transporte de fármacos até o cérebro abrem portas para o desenvolvimento de terapias para doenças como a de Alzheimer e tumores cerebrais.