Ciência em tempos de internet


O portal da Capes disponibiliza mais de dez mil periódicos científicos, que mantêm os pesquisadores brasileiros atualizados sobre os estudos desenvolvidos aqui e no exterior.

A primeira avaliação da eficiência do portal da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) como meio de pesquisa constatou que a ferramenta é muito importante para a ciência brasileira. A investigação, feita a partir de entrevistas com 153 professores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), foi relatada na dissertação de mestrado desenvolvida pelo cientista da informação Luiz Maia no Departamento de Ciência da Informação da UFMG.

Criado em 2000 e utilizado por 182 instituições de ensino, o portal da Capes disponibiliza mais de dez mil periódicos científicos, que mantêm os pesquisadores brasileiros atualizados sobre o que está sendo estudado aqui e no exterior. A pesquisa verificou como o portal é usado e a satisfação dos professores com o serviço. Agora está em curso uma extensão desse estudo, que vai investigar mais de 15 mil professores de 17 universidades.

O portal foi avaliado de forma qualitativa e quantitativa. Maia investigou quais professores utilizavam ou não o portal. “Enviei 54 perguntas por e-mail, em que procurei verificar a satisfação com o serviço, a freqüência de acesso e o que deveria ser mudado”, diz Maia. “Questionamos inicialmente se o portal era útil à comunidade acadêmica.”

A comunidade científica da UFMG de maneira geral está satisfeita com o portal da Capes. “Alguns entrevistados disseram que o portal poderia disponibilizar um número maior de periódicos. Os professores da área de humanas foram os únicos a reclamar da qualidade das publicações oferecidas”, informa. Outra reclamação era a obrigatoriedade de acessar o portal através dos computadores da UFMG, que não são muito rápidos. “Mas isso já foi resolvido. Agora é possível consultar os periódicos a partir de computadores pessoais por meio de uma senha.”

Cerca de 47% dos professores entrevistados acessam constantemente cinco periódicos eletrônicos disponibilizados no portal. Constatou-se que os professores que mais lêem esses periódicos são das áreas de ciências biomédicas e exatas. “Os artigos científicos são importantes porque permitem que os pesquisadores acompanhem o rápido desenvolvimento dessas áreas.” Segundo Maia, mais de 60% dos pesquisadores desses campos acessam diariamente o portal. Estes também são os que afirmam utilizar com mais freqüência artigos científicos como fonte de bibliografia para seus estudos.

Não houve reclamações em relação ao uso da interface do portal, ou seja, os pesquisadores não têm dificuldade de encontrar o que procuram. “Entre os entrevistados, 75% afirmaram que obtêm sucesso nas pesquisas quase sempre. A busca é um pouco mais complicada no portal, porque, antes de procurar pelo artigo, o usuário precisa procurar pelo periódico”, afirma Maia.

A orientadora do estudo, a cientista da informação Beatriz Valadares, da UFMG, está liderando uma pesquisa que estende essa avaliação para instituições do Brasil inteiro. “Queremos comparar o uso do portal da Capes nas diferentes regiões do país”, afirma. Na primeira fase, que terminará em cerca de três meses, a equipe está analisando os dados dos pesquisadores coletados por e-mail. Além disso, serão feitas entrevistas para avaliar de forma mais profunda a utilização dos periódicos eletrônicos. 

Franciane Lovati
Ciência Hoje On-line
16/10/2006