Coleção resgata pensadores do brasil

 

Depoimentos que merecem ser lembrados e reproduzidos. Reflexões que evidenciam a opinião de importantes pensadores sobre grandes – e pequenas – questões brasileiras. Lançada recentemente pela Azougue Editorial, a coleção Encontros traz livros que reúnem, cada um, entrevistas de grandes nomes da intelectualidade do país. Em destaque na primeira leva da série, estão duas figuras de peso das nossas ciências sociais – Darcy Ribeiro e Milton Santos.

Um dos mais importantes antropólogos brasileiros, Darcy Ribeiro (1922-1997) dedicou grande parte de sua vida à defesa das causas indígenas e à educação. Foi um dos fundadores da Universidade de Brasília (UnB), em 1962, e um dos criadores dos Centros Integrados de Ensino Público (CIEPs), no governo de Leonel Brizola no Rio de Janeiro. Contemporâneo de Darcy Ribeiro, o geógrafo Milton Santos (1926-2001) foi o único brasileiro a receber, em 1994, o Prêmio Vautrin Lud, a mais importante láurea internacional de sua disciplina. Santos é o autor de mais de 40 livros, dentre os quais o mais conhecido é O espaço dividido, de 1979, que analisa o desenvolvimento urbano nos países subdesenvolvidos.

Cada livro da coleção Encontros traz cerca de dez longas entrevistas – inéditas ou originalmente veiculadas no rádio, na televisão, em jornais ou revistas. Cada volume apresenta ainda uma introdução e uma cronologia da vida do pensador em foco. É possível ouvir, por exemplo, uma formulação do próprio Milton Santos para o conceito que ele chamou de globalitarismo:

“Eu chamo a globalização de globalitarismo porque estamos vivendo em uma nova fase de totalitarismo. O sistema político utiliza os sistemas técnicos contemporâneos para produzir a atual globalização, conduzindo-os para formas de relações implacáveis, que não aceitam discussão, que exigem obediência imediata”, declarou Santos em entrevista publicada em 1999 na revista Teoria & Debate.

O volume dedicado a Darcy Ribeiro manifesta sua avaliação crítica sobre o sistema educacional brasileiro. “A grande revolução educacional é lavar os olhos e ver que nossa escola é uma droga”, disse ele, sobre a criação dos CIEPs, em entrevista publicada na revista Leia, em março de 1986, quando era vice-governador e secretário da cultura do Rio de Janeiro. ”O capitalismo fez escolas muito boas e eu quero obrigar o capitalismo daqui a fazer boas escolas aqui”, continua o antropólogo. “No socialismo eu vou fazer muito mais. Agora, é o capitalismo que tem que dar a escola que estou querendo, aqui e agora, para a criançada daqui e de agora”.

Dois dos volumes da primeira fornada de lançamentos da coleção Encontros, da Azougue Editorial. 

Pensadores do Brasil
A agenda de lançamentos da coleção prevê volumes dedicados a outros grandes nomes das ciências sociais brasileiras. Para o ano que vem está previsto o lançamento da coletânea de entrevistas do antropólogo Eduardo Viveiros de Castro, professor do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, dos sociólogos Florestan Fernandes (1920-1995) e Octavio Ianni (1926-2004) e do historiador Gilberto Freyre (1900-1987).

A lista de perfilados da coleção não se limita, porém, a nomes das ciências sociais. Entre os cinco volumes que inauguraram a coleção, há ainda livros dedicados ao poeta e compositor Vinicius de Moraes (1913-1980), ao cineasta Rogério Sganzerla (1946-2004) e ao músico e compositor Jorge Mautner. A lista de futuros lançamentos inclui também um livro dedicado ao físico Mario Schenberg (1914-1990).

“Queríamos fazer uma coleção multidisciplinar, que reunisse diferentes posições políticas e estéticas formadas por grandes expoentes brasileiros provenientes das mais diversas áreas do conhecimento, como teatro, antropologia, sociologia, cinema, ciência e outros”, explica o editor Sergio Cohn, idealizador e um dos organizadores do projeto.

“As entrevistas são um gênero muito interessante. Nelas o autor conta sua própria história em primeira pessoa. No livro, é muito interessante observar como o olhar de um pensador sobre determinado assunto se modificou ao longo do tempo”, destaca Cohn. “Além disso, a entrevista apresenta a intervenção direta de um intelectual sobre o que está acontecendo no país e no mundo. Por ter uma linguagem mais acessível, a visão de um pensador na entrevista é facilmente compreendida pelo público”. 

Coleção Encontros
Rio de Janeiro, 2007, Azougue Editorial
Tel.: (21) 2240-8812
R$ 19,90 (cada livro)


Rachel Rimas 

Ciência Hoje On-line
23/11/2007