Desfazendo mitos

Quem olha com temor para o crescente movimento de haitianos que atravessam as fronteiras brasileiras pode se acalmar estudando um pouco a história do Haiti. Ajudaria um bocado a desfazer alguns mitos que grassam nas mentes de brasileiros há mais de 200 anos, desde a revolução escrava que em 1804 resultou na independência daquele país.

Primeiro mito: há que se ter cuidado com pessoas e ideias que vêm do Haiti. No Brasil do século 19, quando se falava do Haiti, ou era para expressar o medo provocado pela influência que as ideias de liberdade poderiam provocar em escravos, libertos e descendentes de africanos em geral no país, ou era para detratar alguém. Quando se queria acusar uma pessoa – que fosse negra ou mulata – de não ser de bem, nada melhor do que pintá-la como simpatizante da revolução do Haiti.

No Brasil do século 19, quando se falava do Haiti, ou era para expressar o medo provocado pela influência que as ideias de liberdade poderiam provocar no país ou era para detratar alguém

Foi o que aconteceu, por exemplo, em junho de 1824, na cidade de Laranjeiras, em Sergipe. Um grupo de proprietários, incomodado por ter como secretário da presidência da província (algo como vice-governador, hoje em dia) o mulato Antonio Pereira Rebouças, acusou-o de ter organizado um protesto pela cidade, liderando outros mulatos que teriam saído pelas ruas dançando ao som de zabumbas e gritando “viva o Haiti” e “vivam pretos e mulatos”.

Na carta enviada pelos supostos ‘homens de bem’ às autoridades militares, foi dito que Rebouças “fez muitos elogios ao rei do Haiti e, porque não o entendiam, falou mais claro: São Domingos, o Grande São Domingos [nome da colônia francesa antes da independência do Haiti]. (…). Alerta. Alerta. Acudir enquanto é tempo”.

Nunca ficou provado se Rebouças realmente participou do barulho, nem mesmo se   ele chegou de fato a existir. Mas uma coisa é certa: a denúncia foi suficiente para que ele perdesse o emprego e tivesse que responder a um processo (na época, uma devassa).

Da mesma forma, muitas das denúncias de haitianismo no Brasil do século 19 nunca foram comprovadas. Mas, nesse caso, o importante para os proprietários de escravos era abafar qualquer eco que as ideias de liberdade que fundamentaram a rebelião de escravos no Haiti pudessem ter no Brasil.

‘Haiti: the aftershocks of history’, de Laurent Duboi.Segundo mito: o Haiti só produz pobreza. Errado. Como vem demonstrando o historiador Laurent Dubois em vários de seus trabalhos, especialmente no recentíssimo livro Haiti: the aftershocks of history (‘Haiti: as réplicas da história’, em traduação livre), da editora Metropolitan Books, depois da independência, para construir alternativas ao sistema de plantation no qual a maioria dos seus habitantes tinha trabalhado como escravos, foi desenvolvido no Haiti um sistema de pequenos sítios e economia descentralizada.

Era uma espécie de agricultura sustentável, com o cultivo alternado de frutas e raízes. Além disso, produzindo um pouco de café e dedicando-se à pecuária, conseguiram desenvolver uma economia autônoma. Se não produziu riqueza, ao menos foi suficiente para assegurar uma qualidade de vida melhor do que a da maioria dos descendentes de africanos que vivia nas Américas, atraindo imigrantes e estabelecendo relações comerciais com empresários de outros países.

Não custa dar o crédito

Claro que isso não quer dizer que não houvesse problemas no Haiti. Disputas pelo poder e altos impostos não tornavam a vida dos haitianos fácil. Mas havia víveres suficientes para alimentar a população.

Hoje, metade do que o Haiti consome é importada. A economia é centralizada e, desde o início da ocupação americana (1915-1934), as pequenas fazendas foram substituídas por grandes plantações mantidas por corporações estrangeiras. Isso sem contar o terremoto de 2010, que trouxe mais pobreza e a primeira epidemia de cólera do país, doença que conhecemos no Brasil desde o século 19.

Palácio presidencial do Haiti, destruído por terremoto
Palácio presidencial do Haiti, localizado em Porto Príncipe, destruído pelo terremoto de janeiro de 2010. O desastre piorou a situação de pobreza no país, que hoje depende de muito importações e tem economia fortemente centralizada. (foto: Logan Abassi/ CC BY 2.0)

É possível que a maioria dos haitianos que hoje procura na cidade de Brasileia novas oportunidades não tenha mais a memória das experiências de liberdade e agricultura sustentável que marcaram as vidas de seus bisavós há mais de um século. Mas não custa dar o crédito.

Além de socorrer pessoas em situações dramáticas, não seria nada mal mostrar ao mundo que é possível entrar no clube dos países ricos sem fechar as portas aos imigrantes.


Keila Grinberg
Departamento de História
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
Pós-doutoramento na Universidade de Michigan (bolsista da Capes)

Matéria publicada em 13.01.2012

COMENTÁRIOS

Os comentários estão fechados

CONTEÚDO RELACIONADO

A nova fera do Rio Grande do Sul

Alexander Kellner antecipa sua coluna deste mês para apresentar a fantástica descoberta de uma espécie de carnívoro primitivo com 220 milhões de anos feita por pesquisadores gaúchos.

Passado exposto pelo terremoto

Diante da parcialidade da maior parte das análises presentes na mídia sobre a catástrofe que atingiu o Haiti em janeiro deste ano, Keila Grinberg dedica sua coluna à avaliação das raízes históricas dessa nação marcada pelo racismo desde que ainda era colônia.

Abrir Chat