Nova hipótese para a origem das baleias

A origem dos grandes grupos de vertebrados é um dos tópicos mais atraentes da paleontologia. Um bom exemplo é o dos cetáceos, grupo que reúne baleias e golfinhos e inclui o maior vertebrado conhecido: a baleia azul, com 30 metros de comprimento. O surgimento desse grupo é um fascinante capítulo da evolução da vida, no qual os mamíferos terrestres passaram a ter hábitos aquáticos, como alguns de seus ancestrais.

Olhando para as baleias, é difícil entender como elas poderiam ter se desenvolvido de animais terrestres. Porém, novas descobertas confirmam o que os pesquisadores suspeitam há algum tempo: os cetáceos estão proximamente relacionados com os artiodáctilos (também chamados de mamíferos com cascos), o que é corroborado por estudos moleculares.

Muitas pesquisas sugerem que, dentro dos representantes atuais dos artiodáctilos, os cetáceos estariam mais proximamente aparentados com os animais do grupo dos hipopótamos. Essa relação de parentesco é estabelecida por diversas feições dentárias (por exemplo, ausência de paracônulos nos molares superiores) e também pela ausência de pêlos ou glândulas sebáceas.

Devido às óbvias diferenças entre os hipopótamos e as baleias, estava claro que deveria existir uma série de outros grupos fósseis mais proximamente relacionados aos cetáceos. Justamente a descoberta de fósseis desse tipo foi publicada pela Nature em dezembro de 2007 por pesquisadores de instituições norte-americanas e da Índia.

Fósseis mais completos
Liderados por J. Thewissen, da Escola de Medicina das Universidades do Nordeste do Ohio (Estados Unidos), os cientistas encontraram fósseis de um mamífero do grupo Artiodactyla chamado Indohyus. Antes disso, essa espécie era conhecida apenas por restos dentários, o que dificultava sua comparação com outros mamíferos do mesmo grupo e também com os mais primitivos membros dos cetáceos.

Os fósseis descritos pela equipe de Thewissen incluem, além de mais material dentário, restos do crânio e do restante do esqueleto. Todos os exemplares foram coletados em Sindkhatudi, na região de Kalakot, que fica na parte da Cachemira situada na Índia. A datação indica que os fósseis são do Eoceno médio (há cerca de 50 milhões de anos), de quando datam também os primeiros registros fósseis das baleias.

Comparações morfológicas mostraram que o Indohyus possui características intermediárias entre os cetáceos mais primitivos e os artiodáctilos. Entre elas, está o espessamento da parede óssea de parte da região auditiva, que, até então, era tida como uma característica exclusiva das baleias.

Outra característica descoberta pelos pesquisadores foi o espessamento da parede óssea de mais partes do esqueleto no Indohyus, em particular dos membros. Essa feição é típica de animais aquáticos como os hipopótamos e diversos grupos de répteis marinhos, e tem o objetivo de prover lastro para que esses animais se locomovam dentro da água.

Por isso, os autores concluíram que Indohyus era um animal que passava um bom tempo dentro da água. Estudos de isótopos estáveis realizados nos dentes desse mamífero também confirmaram esta interpretação.

Nova hipótese
Por fim, com base no estudo, os pesquisadores propuseram uma nova hipótese para a origem dos cetáceos. Segundo a nova teoria, os ancestrais das baleias eram animais do grupo dos artiodáctilos onívoros ou herbívoros, que se alimentavam possivelmente em terra firme. Em situações de perigo, esses mamíferos se refugiavam na água.

Com o passar do tempo, esses hábitos aquáticos foram aumentando em formas como o Indohyus, cuja alimentação podia ser mista e não necessariamente exclusivamente constituída de organismos aquáticos. No estágio seguinte, o ancestral diretamente ligado aos cetáceos teria mudado a sua alimentação para presas que viviam na água. Segundo os autores do estudo, essa mudança de hábito alimentar favoreceu mudanças na dentição e no crânio e foi determinante para o surgimento das primeiras baleias.

Ainda existem algumas questões em aberto em relação à origem dos cetáceos. De qualquer maneira, de uma forma geral, esta descoberta – ao lado de outras mais, realizadas na mesma área da Índia – parece indicar que as baleias se originaram nessa região e se espalharam pelos demais continentes.

Alexander Kellner
Museu Nacional / UFRJ
Academia Brasileira de Ciências
02/05/2008

Confira imagens da pesquisa

Paleocurtas
As últimas do mundo da paleontologia

(clique nos links sublinhados para mais detalhes)

Acaba de ser descrita a mais antiga espécie conhecida até o momento do grupo dos Lagomorpha, que inclui coelhos e formas afins. A descrição se baseou em restos de ossos do pé encontrados em rochas formadas há aproximadamente 53 milhões de anos na região de Gujarat, Índia, estendendo o registro desse grupo naquele país em 35 milhões de anos. A descrição da espécie foi feita pela equipe de Kenneth Rose, da Escola Universitária de Medicina Johns Hopkins (Estados Unidos), e publicada na Proceedings of the Royal Society B.  
As seqüências de proteínas obtidas em colágeno de Tyrannosaurus rex e de um mastodonte (Mammut americanum) foram comparadas com as de animais recentes pela equipe de Chris Organ, da Universidade Harvard (EUA). Conforme esperado, o mastodonte está muito relacionado com os elefantes, enquanto o T. rex está mais proximamente ligado às aves, confirmando os resultados de análises com dados morfológicos. O estudo, publicado na Science , corrobora a noção de que moléculas de colágeno obtidas em fósseis podem ser empregadas para determinar a relação de parentesco de diferentes espécies.
A descrição de um esqueleto articulado de um dinossauro do grupo dos titanossauros procedente da Patagônia (Neuquén) acaba de ser publicada na Paleoworld . Segundo a equipe de Bernardo Riga, da Universidade Nacional de Cuyo (Argentina), esse animal, que ainda não possui nome, tem os membros posteriores (incluindo os pés) bem preservados, o que revela que os titanossauros tinham uma redução gradual no tamanho e no número de falanges.
Acaba de ser descrita uma nova espécie de peixe placodermo – forma muito primitiva, provida com uma pesada armadura óssea. A espécie ganhou o nome de Yiminaspis shenme e foi apresentada por Vincent Dupret, do Instituto de Paleontologia de Vertebrados e Paleoantropologia (Pequim), no Journal of Vertebrate Paleontology. O animal foi encontrado em rochas do Devoniano (410 milhões de anos) da região de Yunnan, na China, aumentando a diversidade desse grupo na Ásia.
Um artigo de revisão sobre a Bacia de São José de Itaboraí foi publicado recentemente por Lílian Bergqvist, do Instituto de Geociências da UFRJ, e colaboradores. Essa contribuição faz parte da série Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil, uma iniciativa com o objetivo de cadastrar importantes localidades tidas como patrimônio geológico a ser preservado em nosso país.
O Departamento de Ciências Biológicas e o Museu de História Natural da Universidade Estadual de Idaho (Estados Unidos) estão organizando um simpósio internacional e uma oficina sobre tigres-dente-de-sabre e formas afins. O evento será realizado entre 12 e 16 de maio próximo. Mais informações: www.isu.edu/bios .

Matéria publicada em 02.05.2008

COMENTÁRIOS

Os comentários estão fechados

CONTEÚDO RELACIONADO

Tempestades, enchentes e embriões: um drama pré-histórico

Pesquisadores encontraram centenas de ovos de pterossauros de 120 milhões de anos, alguns contendo embriões preservados em três dimensões. A descoberta, tema da coluna de Alexander Kellner, revela fatos inéditos sobre uma espécie de réptil voador da China.

Bobagens

Muitos ‘sábios’ da língua portuguesa se valem de correlações falsas para explicar a origem de certas palavras ou apontam inadequações de expressões e provérbios consagrados com base em uma análise superficial. Sírio Possenti aponta os absurdos de algumas dessas teses em sua coluna.

Open chat