Um dinossauro de 230 milhões de anos

Uma nova página sobre a evolução dos dinossauros acaba de ser aberta com a descrição de uma espécie que viveu em uma época próxima à origem do grupo. A fera, descrita na revista Science, foi batizada de Eodromaeus murphy, que, em tradução livre, significa “o corredor do alvorecer”. O nome é uma referência ao fato de esse dinossauro ser primitivo e é também uma homenagem a J. Murphy, militante do grupo Earthwatch e descobridor do fóssil mais completo dessa espécie, que reúne, inclusive, seu crânio.

A nova espécie

Segundo Ricardo Martinez, do Instituto e Museu de Ciências Naturais da Universidade de San Juan (Argentina), e colaboradores, Eodromaeus murphy é conhecido a partir de meia dúzia de exemplares, todos incompletos, encontrados em diferentes camadas formadas entre 232 e 229 milhões de anos atrás.

O local é o famoso Valle de la Luna, na incrivelmente bela área do parque de Ischigualasto, situado na região norte de San Juan, na Argentina. Há mais de 50 anos, pesquisas e coletas sistemáticas são realizadas nesse parque, revelando como era o ambiente e a fauna quando os primeiros dinossauros surgiram na face do planeta.

Valle de la Luna
Cordilheiras e desfiladeiros se estendem ao longo do ‘Valle de la Luna’, no parque de Ischigualasto (Argentina), onde foram encontrados os exemplares do novo dinossauro. (foto: Ricardo Martinez)

Eodromaeus murphy era um animal pequeno, com menos de dois metros de comprimento desde a ponta do focinho ao final da cauda. Seu crânio era relativamente baixo e tinha amplas aberturas entre os ossos, o que o tornava bastante leve. O número de dentes era reduzido: em torno de 30 na arcada superior – bem menos do que outros dinossauros primitivos. Os dentes eram compridos, curvados para traz e tinham serrilhas – características típicas dos dinossauros carnívoros.

Além disso, o novo dinossauro era um animal bípede, ou seja, caminhava nas patas traseiras, podendo utilizar as patas dianteiras para agarrar ou derrubar presas. Sim, tudo indica que o Eodromaeus murphy, apesar do seu tamanho relativamente pequeno, teria sido um predador eficiente.

Reconstrução do esqueleto de Eodromaeus murphy
Reconstrução do esqueleto quase completo de ‘Eodromaeus murphy’, que, segundo os pesquisadores, era um predador eficiente de pequenos animais. (foto: Mike Hettwer)

Mas isso não é tudo o que o estudo dos colegas liderados por Ricardo Martinez revelou…

Outros dinossauros primitivos

Para que se consiga estabelecer se um achado representa ou não uma espécie nova e, sobretudo, para tentar entender o grau de parentesco entre as espécies – não apenas no caso dos dinossauros –, os pesquisadores obrigatoriamente realizam comparações detalhadas com formas já conhecidas.

Muitas vezes, durante esse trabalho, novas e importantes descobertas são realizadas. Foi exatamente isso o que ocorreu nesse caso.

Ao comparar Eodromaeus murphy com Eoraptor lunensis – outro importante dinossauro que havia sido descoberto em 1993 na mesma região de Ischigualasto –, os cientistas identificaram muitas diferenças, sobretudo no formato da cabeça e nos dentes.

Réplica do crânio de ‘Eodromaeus murphy’
Réplica do crânio de ‘Eodromaeus murphy’, em que é possível observar os dentes compridos e curvados para traz – características típicas dos dinossauros carnívoros. (foto: Mike Hettwer)

Eoraptor tem um crânio bem mais alto e uma narina bem maior. Essas feições são típicas de outro grupo de dinossauros: os sauropodomorfos, que são formas predominantemente herbívoras. Ou seja, o Eoraptor, originalmente considerado um representante dos dinossauros carnívoros no grupo dos terópodes, acaba de ser reclassificado para um grupo de herbívoros (Sauropodomorpha).

Mas isso não é tudo sobre esse estudo. O melhor ainda estava por vir…

Evolução dos dinossauros: oportunismo?

Dentre as discussões que cercam os dinossauros, um dos pontos mais polêmicos está vinculado à explicação para o sucesso do grupo. Por que os dinossauros, quando surgiram em algum momento do Triássico, há mais de 230 milhões de anos, passaram a dominar a superfície do nosso planeta?

A explicação mais aceita era o oportunismo – ou sorte, como querem alguns. A ideia é baseada na percepção de que os dinossauros somente se estabeleceram de forma dominante depois que outros répteis foram extintos.

Ou seja: mudanças no planeta (clima etc.) levaram à extinção de formas como os rincossauros (répteis herbívoros) e os dicinodontes (parentes distantes dos mamíferos que lembravam hipopótamos) e de grandes predadores como o Prestosuchus, deixando o caminho livre para os dinossauros. Esses “répteis terríveis” teriam, então, ocupado os nichos deixados vazios e, assim, se expandido para todo o planeta.

Para surpresa geral, os cientistas descobriram que os dinossauros eramrelativamente mais comuns há 230 milhões de anos do que se supunha

Ricardo Martinez e colegas puderam estabelecer uma melhor definição da idade das diferentes camadas encontradas em Ischigualasto. Assim, eles conseguiram determinar, com precisão maior, quais espécies diferentes viviam juntamente com os dinossauros – incluindo o Eodromaeus.

Para surpresa geral, os cientistas descobriram que os dinossauros eram relativamente mais comuns há 230 milhões de anos do que se supunha. E mais: a diversidade desse grupo de répteis naquele tempo era igual à encontrada mais tarde, em torno de 215 a 220 milhões de anos, quando esses animais passaram a dominar o planeta.

Durante esses 10 a 15 milhões de anos, outros grupos de répteis se extinguiram sem que isso aumentasse a diversidade de dinossauros. Logo, pelo que se pode observar em Ischigualasto, não houve uma substituição de imediato das formas que iam se extinguindo (como os rincossauros, por exemplo) pelos dinos…

Pesquisas futuras

Muitas vezes a pesquisa pode ser frustrante, já que nem sempre uma hipótese inicial é confirmada por estudos posteriores. Isso ocorre em todas as áreas, não apenas na paleontologia.

Avanços como esses alcançados pela equipe de Ricardo Martinez nos fazem pensar e reanalisar dados antigos

Mas, devido à natureza do registro fóssil – bem mais raro do que gostariam os pesquisadores –, avanços como esses alcançados pela equipe de Ricardo Martinez nos fazem pensar e reanalisar dados antigos, para melhor explicar as observações que podemos fazer.

Estudos no nosso próprio país, por exemplo, no Rio Grande do Sul, poderiam ajudar a entender esse momento tão fascinante da história do nosso planeta, quando ocorreu o surgimento dos dinossauros.

Por isso, mãos à obra!

Assista a um vídeo que mostra o processo de reconstrução do novo dinossauro em vida

(vídeo: Sereno Fossil Lab)


Alexander Kellner
Museu Nacional/UFRJ
Academia Brasileira de Ciências

Paleocurtas

As últimas do mundo da paleontologia
(clique nos links sublinhados para mais detalhes)

A exposição ‘Um tiranossauro no Museu Nacional’ está sendo um grande sucesso! Juntamente com outros fósseis, a cabeça do T. rex tem encantado o público – não apenas o infantil. Além disso, o visitante pode assistir ao vídeo do ator global Stênio Garcia, que apresenta vários dados sobre o “rei dos dinossauros”! O museu está aberto de terça a domingo, das 10 às 16 horas, no parque da Quinta da Boa Vista, Bairro Imperial de São Cristóvão, no Rio de Janeiro.

Pesquisadores acabam de estudar a fauna de corais encontrada em rochas do Cretáceo Superior de Ivö Klack, na parte sul da Suécia. Coordenada por Anne Sørensen (Universidade de Copenhagen, Dinamarca) e publicada na Cretaceous Research, a pesquisa concluiu que a baixa diversidade de espécies está relacionada a questões de preservação.

A Acta Palaeontologica Polonica acaba de publicar uma revisão dospinguins fósseis encontrados na Antártica. Liderado pelo pesquisadorPiotr Jadwiszczak (Universidade de Bialymstoku, Bialystok, Polônia), oestudo se concentrou no material dessas aves encontrado em depósitoscom cerca de 40 milhões de anos na Ilha Seymour e demonstra que onúmero de espécies é menor do que se supunha.

Alexander Liu (Universidade de Oxford, Inglaterra) e colaboradores acabam de publicar na Palaeontology uma revisão dos fósseis conhecidos como “discos de pizza”. De acordo com o estudo, esses fósseis enigmáticos, procedentes de rochas com idades que variam de 579 a 560 milhões de anos, não representam organismos distintos e são resultado da decomposição de outras espécies conhecidas da fauna de Ediacara, que agrupa as formas mais antigas de animais com uma estrutura complexa conhecidas até agora.

O Laboratório de Estratigrafia e Paleobiologia da Universidade Federalde Santa Maria (Rio Grande do Sul) acaba de anunciar a 8ª edição doCurso de Verão em Curadoria Paleontológica, que ocorrerá de 21 a 25 defevereiro. Entre outras atividades, o curso (40 h) vai mostrar, deforma resumida, as principais etapas da pesquisa com fósseis. Maisinformações com o professor Átila da Rosa.

Victoria Arbout e Philip Currie (Universidade de Alberta, Canadá) acabam de descrever um novo pterossauro daquele país. Encontrado em rochas formadas há 75 milhões de anos, Gwawinapterus beardi pertence a um grupo de répteis voadores conhecidos anteriormente apenas na Inglaterra e na China. O estudo foi publicado no Canadian Journal of Earth Sciences.

Matéria publicada em 14.01.2011

COMENTÁRIOS

Os comentários estão fechados

CONTEÚDO RELACIONADO

Tempestades, enchentes e embriões: um drama pré-histórico

Pesquisadores encontraram centenas de ovos de pterossauros de 120 milhões de anos, alguns contendo embriões preservados em três dimensões. A descoberta, tema da coluna de Alexander Kellner, revela fatos inéditos sobre uma espécie de réptil voador da China.

Bobagens

Muitos ‘sábios’ da língua portuguesa se valem de correlações falsas para explicar a origem de certas palavras ou apontam inadequações de expressões e provérbios consagrados com base em uma análise superficial. Sírio Possenti aponta os absurdos de algumas dessas teses em sua coluna.

Open chat