Nova técnica favorece produção de abacaxi

Um problema enfrentado pelos produtores de abacaxi, a terceira fruta tropical mais cultivada no país, está prestes a ser solucionado. Uma técnica ainda em fase de experimentação foi desenvolvida para inibir o florescimento natural da planta, responsável por gerar frutas fora do padrão comercial e comprometer a regularidade da produção. Criada por Getúlio Augusto Pinto da Cunha, pesquisador da Embrapa Mandioca e Fruticultura, a tecnologia consiste em reduzir por meio de fitorreguladores a produção de etileno pelo abacaxizeiro. Esse gás é responsável pelo florescimento natural da planta, pois inibe o órgão que forma as folhas e desencadeia o processo de reprodução.

A indução artificial da floração do abacaxi é necessária para a fruta atingir padrão comercial e haver uniformização da produção

Segundo Getúlio, a produção do abacaxi é uma das mais exigentes porque seu processo de florescimento não é uniforme, devido a fatores como a temperatura ou o nível de insolação. Para a fruta atingir padrão comercial e haver uniformização da produção, é necessário induzir artificialmente a floração. No Brasil, o produto mais utilizado para isso é a solução de carboneto de cálcio. A substância faz com que a planta libere acetileno, gás que desencadeia o processo de floração. No entanto, o florescimento natural do abacaxi prejudica a produção do fruto, sobretudo no inverno, pois a temperatura baixa favorece o fenômeno. “Fazemos com que a fruta ultrapasse essa estação sem florescer naturalmente”, conta Getúlio. “Depois, voltamos a induzir artificialmente.”

Para inibir ou reduzir a produção natural do etileno, o pesquisador fez testes com substâncias fitorreguladoras que reduzem em até 80% o florescimento durante um período de dois a quatro meses. O período entre o florescimento e a colheita é de seis meses. O estudo, resultado da tese de doutorado de Getúlio, foi feito no município de Cruz das Almas (BA) com a variedade Pérola do abacaxi, que representa 80% da produção brasileira da fruta. No mundo, a variedade predominante é a Smooth Cayenne, também conhecida como ananás.

 

Aplicação de fitorreguladores para inibição da floração natural do abacaxi da variedade Pérola

Segundo Getúlio, não há contra-indicação para a técnica porque o abacaxi é colhido seis meses após a aplicação dos fitorreguladores, tempo suficiente para sua metabolização. “A nova tecnologia vai garantir um fruto dentro do padrão comercial com baixo custo.”

 

Para finalizar a técnica, é necessário fazer testes em outras regiões produtoras do Brasil e ajustar a concentração dos fitorreguladores. Outras variedades de abacaxi também serão estudadas. Getúlio estima que o método possa ser comercialmente aplicado em um prazo de cerca de quatro anos. Além do Brasil, França, México, Austrália e Estados Unidos também estão realizando estudos semelhantes.

Andrea Guedes
Ciência Hoje on-line
02/07/01

 

 

Matéria publicada em 02.07.2001

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Estratégia antiviral polivalente

Estudo feito por pesquisadores de Brasil e Portugal identifica moléculas promissoras para o desenvolvimento de fármacos e vacinas contra diversos tipos de vírus.

Inovação no combate a doenças neurológicas

Novas estratégias para o transporte de fármacos até o cérebro abrem portas para o desenvolvimento de terapias para doenças como a de Alzheimer e tumores cerebrais.

Open chat