As florestas da antártica

O paleontólogo Alexander Kellner, autor da coluna Caçadores de fósseis, convida os leitores cariocas ou de passagem pelo Rio para visitar a exposição Fósseis do continente gelado, que reúne material coletado em uma expedição recente à Antártica coordenada por ele. A mostra acontece no Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e será aberta ao público a partir da próxima terça-feira, 8 de dezembro.

Convite da exposição 'Fósseis do continente gelado'

A expedição realizada pela equipe de Kellner em 2006 e 2007 durou dois meses e meio, dos quais 37 dias foram passados em um acampamento na ilha James Ross, na ponta da Península Antártica. Kellner fez um relato da viagem em sua coluna assim que retornou ao Rio.

“A impressão que ficou é que aquele é um ambiente de grande fragilidade”, lembra-se o paleontólogo. “James Ross tem pouca vida, nem a vida marinha é abundante.” Paradoxalmente, trata-se também de um ambiente inóspito, que pode ser agressivo. “Houve uma tempestade de neve que chegou a arrebentar a barraca de um membro da nossa expedição”, conta Kellner.

A expedição foi um sucesso do ponto de vista científico: foram trazidas de lá mais de duas toneladas de rochas e fósseis, entre árvores, peixes, répteis e organismos invertebrados. O resultado revelou um cenário bem diferente do panorama dominado pelo branco da Antártica atual. “Os fósseis mostram que a ilha James Ross era coberta por uma extensa floresta entre 70 e 80 milhões de anos atrás”, conta Kellner.

A exposição a ser inaugurada no Museu Nacional reúne os principais achados da expedição, incluindo a réplica em tamanho real do busto de um plesiossauro, um tronco de árvore com 80 milhões de anos e a réplica de um tubarão. A mostra tem ainda uma parte dedicada à Antártica atual, que realça o contraste com o ambiente verdejante que ali reinou no passado.

O visitante poderá experimentar parte do encanto que o continente gelado exerceu sobre nosso colunista. “Já conheci vários lugares do mundo, mas nenhum é tão fascinante quanto a Antártica”, afirma. Kellner ficou tão impressionado que está escrevendo um relato romanceado de sua experiência – vai se chamar Mistério sobre o gelo, revela ele em primeira mão.

Fósseis do Continente Gelado: o Museu Nacional na Antártica
De 08/12/2009 a 30/04/2010
De terça a domingo, das 10h às 16h.
Entrada: R$ 3,00. Grátis para crianças até 5 anos e pessoas acima de 60. Crianças entre 6 e 10 anos pagam R$ 1.
Local: Museu Nacional – Quinta da Boa Vista, s/n.
São Cristóvão, Rio de Janeiro (RJ).
Telefone: (21)2562-6042

Bernardo Esteves
Ciência Hoje On-line