Astronomia para os pequenos

Crianças de uma escola das ilhas Bermudas se preparam para ver um eclipse lunar no começo da noite. Do outro lado do oceano Atlântico, meninos e meninas da área rural da África do Sul fazem o mesmo, mas lá já está prestes a amanhecer. Integradas pela internet, as experiências simultâneas das duas turmas rendem conversas entre os alunos. Mais do que isso, geram a percepção de que acima de todos nós está o mesmo céu. 

Essa foi uma das atividades do Universe Awareness (Unawe), programa educacional que reúne mais de 500 voluntários de 40 países (inclusive o Brasil) e que levou recentemente o prêmio da revista Science para ferramentas educativas on-line. O objetivo do projeto, criado em 2005 pela física suíça Carolina Ödman-Govender, é apresentar a astronomia para crianças de 4 a 10 anos que vivem em regiões em desenvolvimento.

O workshop Deadly moons, que dividiu o prêmio com o projeto, apresenta as luas de diversos planetas para as crianças

“A lógica por trás do Unawe é que a perspectiva única trazida pela astronomia – como no momento em que se vê a Terra do espaço, sem fronteiras reais entre os países – faz crianças pequenas desenvolverem as habilidades e os valores que podem ajudá-las a criar um futuro melhor”, explica a idealizadora em artigo publicado há duas semanas (26/8) na Science.

O texto foi escrito a quatro mãos, com Deirdre Kelleghan, irlandesa que desenvolve uma das atividades mais bem sucedidas do projeto (e que, por isso, divide o prêmio da Science com o Unawe): o workshop Deadly moons (algo como ‘Luas impressionantes’, na gíria irlandesa), que apresenta as luas de diversos planetas para os pequenos e já foi reproduzido em vários países. 

Material didático colaborativo

O site, que já teve patrocínio do ministério da educação e da ciência holandês e hoje conta com verba da União Europeia, reúne também material didático feito pelos colaboradores dos diferentes países. Todo o conteúdo é checado por astrônomos antes de ir ao ar.

O site reúne tambémmaterial didático feito pelos colaboradores dos diferentes países

Os voluntários também cuidam das traduções – tanto dos textos em inglês para suas respectivas línguas, quanto dos materiais feitos em seus países para o inglês – e dos workshops para professores de ciência de várias nacionalidades. Professores, amantes da astronomia e jornalistas podem se cadastrar gratuitamente no site para participar ativamente da rede. 

Para quem não domina o inglês, há também um braço brasileiro do projeto. Criado em setembro de 2008, o Unawe Brasil tem base no Clube de Astronomia Louis Cruls, em Campos dos Goytacazes (norte do estado do Rio de Janeiro). A versão nacional do programa realiza atividades de divulgação da astronomia em escolas, utilizando instrumentos de observação do céu e até mesmo um planetário inflável com sistema de projeção digital.  

Helena Aragão
Ciência Hoje On-line

Este texto foi atualizado para incluir a seguinte alteração:
O objetivo do projeto, criado em 2005 pela física suíça Carolina Ödman-Govender, é apresentar a astronomia para crianças de 4 a 10 anos, e não a astrologia, como estava indicado anteriormente. (09/09/2011)

Matéria publicada em 08.09.2011

COMENTÁRIOS

Os comentários estão fechados

CONTEÚDO RELACIONADO

‘Guerra e Paz’ e o 11 de Setembro

Obra de Cândido Portinari ilustra capa e contracapa de edição da revista científica ‘The Lancet’ sobre os impactos dos atentados terroristas às torres gêmeas, nos Estados Unidos.

A matemática de Hércules

O que uma ‘matemusicista’ que contorna o tédio das aulas com rabiscos em seu caderno e um artigo publicado na revista ‘Science’ têm em comum?

Abrir Chat