Enfrentamento elegante

Em função de caminhos profissionais, já assisti a dezenas de debates sobre a web 2.0. Ferramentas, nova economia da cultura e outros modos de se fazer política; um cenário infinito para se explorar. Finalmente: já vi e participei de algumas mesas sobre redes sociais.

A Ciência Hoje correu o risco de organizar mais uma. Risco sim, porque poderia ser apenas isto: mais uma conversa, entre tantas, sobre o novo território da internet. 

Só para lembrar: no dia 1º de junho, promovemos o debate ‘Redes Sociais e Novas Subjetividades’, que teve como objetivodiscutir a interferência da internet  – e das novas formas de secomunicar que surgem por meio da ferramenta  – na nossa vida.

Participaram da mesa o cientista político José Eisenberg, da Faculdade de Direito da UFRJ, e Vinícius Andrade Pereira, diretor do Laboratório de Mídias da ESPM e professor de pós-graduação em comunicação da Uerj. Quem cuidou da mediação foi o professor da UFRJ Jonas Federman.

Surpresa

O evento, que – acreditava – seria ‘apenas’ uma celebração das possibilidades da internet, acabou se tornando um grande embate de dois palestrantes com opiniões bem distintas.

Enquanto Eisenberg acusava a internet de estar criando uma “horda de semianalfabetos”, Andrade Pereira dizia  que “as redes têm uma função fundamental que é mediar o mundo fantástico de informações que temos hoje”.

Foi uma conversa franca, de enfrentamentos elegantes. Uma mesa bipolar (no bom sentido).

Disparado, o melhor debate sobre o tema a que assisti.

E que bom que temos o registro dele todo. Indico fortemente o vídeo abaixo, com a íntegra de ‘Redes Sociais e Novas Subjetividades’.

 


Thiago Camelo
(Ciência Hoje On-line)