Pisando em… copos

Mais uma vez, vem do lixo a produção de objetos que ajudam a melhorar a vida de moradores de comunidades carentes. Ao juntar copos de café descartados e cascas de coco de babaçu, pesquisadores da Universidade Federal do Pará (UFPa) transformaram esses rejeitos em lajotas tão resistentes e belas quanto as disponíveis no mercado, de modo a forrar o chão de residências populares. O produto, batizado de ecopiso e com patente já registrada, será fabricado e aplicado agora por pescadores de Colares, município do nordeste paraense.

Buscando uma alternativa barata para cobrir o chão batido de casas de mulheres que trabalham como abridoras de coco de babaçu, no Maranhão, a engenheira mecânica Poliana Borges Bringel examinou o lixo dessa comunidade durante sua pesquisa de mestrado na UFPa, em 2007. Depois de analisar os rejeitos, ela concluiu que as cascas do coco, associadas a copos de café descartáveis, formavam uma mistura muito consistente e ideal para a fabricação de pisos: o plástico (poliestireno) e a fibra do babaçu juntos conferem dureza e resistência às lajotas comparáveis às encontradas no mercado, mas a um custo de produção muito inferior. Além disso, o material é menos pesado e confere maior conforto térmico.


Após coletaram os copos de café, os moradores lavam os plásticos com água sanitária e, depois, os trituraram manualmente. (foto: Alexandre Moraes)

Assim surgiu o ecopiso, com dimensões, cor e acabamento semelhantes aos das cerâmicas convencionais. As peças do piso ‘ecológico’ também têm uma face enrugada, para facilitar à aderência ao chão, e outra lisa, que recebe o tratamento estético. A marca já se encontra registrada no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

A engenheira química Carmen G. Barroso Tavares Dias, orientadora de Bringel e coordenadora do Laboratório de ecocompósitos da UFPa, vem trabalhando para expandir os benefícios do ecopiso para outras comunidades. “Escolhemos famílias de pescadores em Colares, com condições habitacionais e de saneamento similares às da comunidade-piloto do Maranhão”, informa Dias, lembrando que casas de chão batido deixam seus moradores mais suscetíveis a doenças, e a aplicação do ecopiso ajudaria a melhorar essa situação.

O objetivo, segundo a pesquisadora da UFPa, é envolver os pescadores em uma atividade sustentável e capaz de gerar renda extra, participando de todo o processo de produção. O projeto já começou.

“Os moradores coletaram muitos copinhos de café; em seguida, os lavaram com água sanitária e, depois, os trituraram manualmente”, conta. “Orientados por nossa equipe, eles também coletaram serragem de madeira de lei de uma serraria próxima da comunidade, de modo a usá-la como matéria-prima na produção do ecopiso”, acrescenta Tavares Dias.

Agora, o material deve ser beneficiado a determinada pressão e temperatura. Seguindo as instruções dos pesquisadores, os pescadores poderão dar acabamento às placas usando uma prensa hidráulica. Depois de pronto, o ecopiso poderá ser usado nas residências e até comercializado para outros moradores da região.

 

Alicia Ivanissevich
Ciência Hoje/ RJ

Matéria publicada em 31.10.2016

COMENTÁRIOS

  • Anônimo

    uau

    Publicado em 21 de agosto de 2019 Responder

  • Anônimo

    Que ideia genial!!!!!

    Publicado em 21 de agosto de 2019 Responder

  • Anônimo

    asista tenn wolf

    Publicado em 21 de agosto de 2019 Responder

    • Anônimo

      meu deus!!! é TEEN WOLF

      Publicado em 21 de agosto de 2019 Responder

      • Anônimo

        quem

        Publicado em 21 de agosto de 2019

  • Anônimo

    que legal

    Publicado em 21 de agosto de 2019 Responder

  • Anônimo

    que loco

    Publicado em 21 de agosto de 2019 Responder

    • Anônimo

      kkkk

      Publicado em 22 de agosto de 2019 Responder

  • Anônimo

    paraaaa

    Publicado em 22 de agosto de 2019 Responder

  • eduardo

    tentem falar pabibaquigrafo

    Publicado em 22 de agosto de 2019 Responder

    • Anônimo

      e se eu não quiser

      Publicado em 22 de agosto de 2019 Responder

      • sei la

        to 100% nem aí

        Publicado em 22 de agosto de 2019

    • FelipeArticuno

      vc é edu do 5 f

      Publicado em 29 de agosto de 2019 Responder

  • Anônimo

    oiiiiii cara de boi eu achei a ideia do piso muito legal pois isso é uma forma de menos poluição e ajuda o mundo
    com amor YASMIN

    Publicado em 22 de agosto de 2019 Responder

  • Anônimo

    ola eu sou o claldio e eu sei falar bla bla lba bla bla

    Publicado em 22 de agosto de 2019 Responder

  • Anônimo

    OIIIII EDUARDO DANIELLLLLLL

    Publicado em 22 de agosto de 2019 Responder

  • ninguem

    ola eu sou o claldio e eu sei falar bla bla lba bla bla

    Publicado em 22 de agosto de 2019 Responder

    • Anônimo

      Para de fala porra nenhuma

      Publicado em 6 de Maio de 2020 Responder

  • Anônimo

    com muito orgulho aqui é a MARCELLE

    Publicado em 22 de agosto de 2019 Responder

  • Anônimo

    ola eu sou a marcelonjnikeju nao sei escrebvawer

    Publicado em 22 de agosto de 2019 Responder

  • Anônimo

    WTF

    Publicado em 22 de agosto de 2019 Responder

  • pilu

    e5r,k8ergyha,hl tomanuco

    Publicado em 27 de agosto de 2019 Responder

    • FelipeArticuno

      ah vai se fulder

      Publicado em 29 de agosto de 2019 Responder

  • F1R3WØLF

    Muito legal a ideia deles ,além de ajudarem os outros colocam para vender

    Publicado em 28 de agosto de 2019 Responder

    • guguti2009

      oi leo

      Publicado em 29 de agosto de 2019 Responder

    • ola eu sou o claudio e eu sei falar bla lBABALBLABLABL

      jodador de fortnite F1R3WOLF n sabe cria nome dessente

      Publicado em 17 de julho de 2020 Responder

  • guguti2009

    top sou o guguti2009

    Publicado em 29 de agosto de 2019 Responder

    • FelipeArticuno

      oi Gustavu

      Publicado em 29 de agosto de 2019 Responder

      • FelipeArticuno

        Gustvo kkkk ;-;

        Publicado em 29 de agosto de 2019

  • FelipeArticuno

    genial to fazendo um trabalho de escola nisso ‘-‘

    Publicado em 29 de agosto de 2019 Responder

    • PAU DURÃO

      ninguem:
      absloutamente ninguém:
      literalmente ningúem:
      Eu: to nem ai seu corno

      Publicado em 14 de julho de 2020 Responder

  • FelipeArtuno

    OI SOU GAY
    KSKSKKDao djqefjpwrogpoj4gow4jogj4wojgoi4jg4 chupa minha pirocaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

    Publicado em 17 de julho de 2020 Responder

  • FelipeArticuno

    OI EU SOU GAY KSKSKKSKSSSQKDKADALDAKWKDKQWDKWkdçwkdçkwçld chupa minha pirocaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

    Publicado em 17 de julho de 2020 Responder

  • ola eu sou o claldio e eu sei falar bla bla lba bla bla

    ola eu sou o claldio e eu sei falar bla bla lba bla bla

    Publicado em 17 de julho de 2020 Responder

  • ninguem

    mds so tem criança aqui

    Publicado em 31 de julho de 2020 Responder

  • ninguem

    mds so tem criança aqui

    Publicado em 31 de julho de 2020 Responder

  • ninguem

    kids mds

    Publicado em 31 de julho de 2020 Responder

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Estratégia antiviral polivalente

Estudo feito por pesquisadores de Brasil e Portugal identifica moléculas promissoras para o desenvolvimento de fármacos e vacinas contra diversos tipos de vírus.

Inovação no combate a doenças neurológicas

Novas estratégias para o transporte de fármacos até o cérebro abrem portas para o desenvolvimento de terapias para doenças como a de Alzheimer e tumores cerebrais.