Magnetismo e eletricidade: ciência e pseudociência

Desde a Antiguidade, a humanidade vem acumulando conhecimento preciso e confiável sobre os fenômenos elétricos e magnéticos. Mas hoje, infelizmente, há oportunistas que, com base em ideias pseudocientíficas, vendem produtos que prometem curas ou tratamentos milagrosos.

A tentativa de entender os fenômenos da natureza vem desde os primórdios dos tempos. Uma delas é a compreensão dos fenômenos elétricos e magnéticos. Na Antiguidade, achou-se que as propriedades de atração e repulsão elétrica (âmbar) ou magnética (magnetita) tinham a ver com secura/umidade ou amor/ódio, respectivamente.

A atração e repulsão tanto elétrica quanto magnética foram explicadas no século 17 e 18 a partir da ideia de que a troca de fluidos elétricos ou magnéticos entre os corpos seria a responsável por esses fenômenos. Só no século 19, como resultado do trabalho de muitos pesquisadores ‒ destaque para os físicos britânicos Michael Faraday (1791-1867) e James Maxwell (1831-1879) ‒, surgiu o conceito de campo elétrico e magnético, o que ajudou a compreender melhor esses fenômenos, mostrando que campos elétricos podem geram magnéticos e vice-versa. À época, também foi proposto que a própria luz tinha origem na manifestação desses campos, na forma de ondas eletromagnéticas.

Adilson de Oliveira

Departamento de Física,
Universidade Federal de São Carlos (SP)

Matéria publicada em 28.10.2019

COMENTÁRIOS

Envie um comentário

CONTEÚDO RELACIONADO

Inteligência artificial, para onde vamos?

Inteligência Artificial (IA) é um tema que atrai muita atenção e parece sempre remeter ao futuro. Mas ela já faz parte do nosso dia a dia há tempos. A questão é: para onde a IA pode nos levar?

O percurso da Aspirina

O registro do uso do salgueiro para alívio da dor remonta à Antiguidade. Mas o primeiro medicamento à base da planta a ser comercializado no mundo tem pouco mais de 100 anos e carrega uma história com disputas e percalços.