EDIÇÕES CIÊNCIA HOJE

NOVA CIÊNCIA HOJE

edição 387 Física e astronomia numa perspectiva afro-indígena A física e a astronomia, ciências fundamentais para a construção de nossa identidade contemporânea de sociedade científico-tecnológica, não têm sido neutras e puras. O predomínio da perspectiva europeia vem excluindo a cultura e o conhecimento de negros e indígenas de seus processos e suas práticas de ensino e divulgação.

Edição 386 O MITO DO FEMININO:
DA SANTIDADE À ILUSÃO DEMONÍACA
Com base na afirmação de que milhares de mulheres condenadas à morte por bruxaria em toda a Europa na Idade Moderna foram vítimas de perseguição misógina, grupos feministas e LGBTQIA+ na Catalunha conseguiram resolução para “limpar” o nome de algumas dessas mulheres. Confira a conexão entre os debates atuais acerca de gênero e a História.

EDIÇÃO 385 Novas fronteiras no transplante de órgãos O tráfico de órgãos humanos foi destaque na série sul-coreana Round 6. Fundamentais para o tratamento de diversas doenças, os transplantes exigem um sistema ético de distribuição e contínuo avanço científico para serem acessíveis ao maior número possível de pacientes.

EDIÇÃO 384 Conferência de Berlim
e o mito da partilha da África
Um evento teria sido determinante na partilha do continente africano entre nações da Europa? Muitos estudos apontam a Conferência de Berlim, em 1885, como o encontro em que a África teria sido dividida. Documentos da época, no entanto, mostram que o tema não esteve em pauta. Como esse mito foi criado? A resposta ajuda na compreensão do imperialismo europeu no século 19.

EDIÇÃO 383

EDIÇÂO 382

EDIÇÂO 381

Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan, apresenta a Butanvac como imunizante de grande esperança para o Brasil e países pobres Edição 380 UMA VACINA DO BRASIL
PARA O MUNDO

Os impactos da produção industrial já são evidentes em escala mundial. Para que o planeta tenha um futuro sustentável, é preciso trocar de vez materiais e produtos químicos convencionais por matérias-primas e processos ‘verdes’. Em uma análise cronológica da chamada ‘economia limpa’ não cabe mais saber a quantas anda a química verde e, sim, quando o restante da química será convertido. QUANDO TODA A QUÍMICA SERÁ VERDE? Edição 379

[email protected], todxs, todes, tods.
A proposta de alterações de gênero na língua portuguesa divide opiniões: de um lado estão os defensores do chamado neutro, do outro se colocam os que querem preservar a dita ‘norma culta’. O ativismo social conseguirá fazer com que uma nova forma de falar e escrever seja popularizada?
Edição 378 Ativismo social, gênero
e linguagem
Abrir Chat