Física e astronomia numa perspectiva afro-indígena A física e a astronomia, ciências fundamentais para a construção de nossa identidade contemporânea de sociedade científico-tecnológica, não têm sido neutras e puras. O predomínio da perspectiva europeia vem excluindo a cultura e o conhecimento de negros e indígenas de seus processos e suas práticas de ensino e divulgação.

Um futuro de base florestal

Restaurar ambientes degradados pela ação humana, adotando um arranjo bioeconômico efetivo com espécies nativas da flora tropical, pode levar o Brasil ao desenvolvimento sustentável, colocando-o em uma posição de destaque na economia global, sendo protagonista de seu próprio crescimento

Microrganismos: os mais bem-sucedidos
habitantes da Terra

Um olhar filosófico sobre como as formas de transferência genética dos onipresentes microrganismos têm feito cientistas questionarem o modelo clássico de evolução das espécies proposto por Charles Darwin

O ensino de física e astronomia
pela perspectiva afro-indígena

O ensino de física e astronomia tem se baseado principalmente nas contribuições da cultura europeia, excluindo as contribuições dos chamados povos originários. A perspectiva afro-indígena pretende sanar essa forma de injustiça.

O que é cálculo? Por que essa fama de difícil?

Filme sobre a corrida espacial denuncia a discriminação de mulheres negras que calculavam, à mão, a órbita de cápsulas tripuladas. Para isso, usavam o cálculo, matemática considerada difícil. Será?

No lucrativo mercado da ciência aberta,
quem paga a conta?

A publicação de artigos científicos passa por uma revolução nos últimos anos na busca por tornar o acesso ao conteúdo livre e gratuito. No entanto, esses novos modelos fazem os cientistas arcarem com custos e ampliam a desigualdade entre países ricos e pobres

As mudanças climáticas já afetam nossas vidas

Altas temperaturas e eventos climáticos extremos, como secas, ondas de calor e enchentes, já prejudicam a produção de alimentos e colocam em risco populações mais pobres, afirma Argemiro Teixeira, pesquisador do Centro de Sensoriamento Remoto da UFMG

Correspondências entre Einstein e Freud

Há quase 100 anos, dois luminares da ciência trocaram cartas que resultaram numa obra breve, mas profunda, a ponto de hoje nos ajudar a entender a enorme tragédia da invasão da Ucrânia

Festinha matemática

Um problema que surge na organização de uma festa nos leva a um clássico da aritmética, estudado na China no século 3. Mas, mesmo tanto tempo depois, essa questão ainda preserva frescor inegável – afinal, festas seguem acontecendo.

O fogo transformador

As estrelas parecem pontos distantes e frios no céu. Mas são fornalhas produtoras de elementos químicos. Transformamos essa matéria para o bem e o mal, assim como acontece com o fogo. Ainda temos que aprender a usar nosso conhecimento

O mito da fênix e a combustão espontânea

Apesar de parecer mágica, a capacidade de se incendiar dessa ave mitológica conhecida por renascer das próprias cinzas é um fenômeno que pode acontecer em certas situações no mundo real

Espécie descoberta em fósseis de suposto
pterossauro

Novos estudos mostram que restos encontrados em rochas de 225 milhões de anos no Rio Grande do Sul não pertencem a um réptil alado, como se acreditava, e identificam no material uma segunda espécie, denominada de Maehary bonapartei

Abrir Chat