GEOinformação

Reduzir para ver melhor

Quando o propósito é conhecer grandes superfícies, a escala é uma redução da realidade, um elemento fundamental na interpretação de mapas.

Três palavras revolucionárias

Com o surgimento do comércio eletrônico, os serviços de entrega tornaram-se essenciais. Levar a mercadoria até o cliente no menor tempo possível depende da obtenção precisa de endereços. Uma nova ferramenta veio para revolucionar essa tarefa.

Percepção de mudanças é a bola da vez

A definição do detalhamento espacial e temporal a serem adotados no processo de monitoramento é fundamental, assim como a atenção à intensidade da mudança.

Devemos esquecer os mapas?

Ao que tudo indica, muitas áreas acabaram se solidarizando com a linguagem espacial e se renderam ao seu poder de representação.

Imersão geoinformacional

Assistimos a um espetáculo de geoinformação na apuração das eleições presidenciais nos EUA. Mapas e gráficos permitiram não só a interpretação de informações em tempo real como possibilitaram a compreensão de tendências

O Big Brother terrestre

O monitoramento da superfície da Terra em níveis de detalhes impensados até bem pouco tempo atrás nos faz refletir sobre o quanto queremos, de fato, sermos vistos.

Turismo virtual

O Google Street View tem ampliado consideravelmente seu alcance e diversidade de ambientes, indo além do foco de ruas ou estradas para ganhar o mundo sob as mais diferentes perspectivas

Conhecer para representar ou representar para conhecer?

Representar a realidade e medir alguns de seus elementos exige mudanças de escala e de ponto de vista. O que parece trivial, em um primeiro momento, exigiu muitos experimentos e desenvolvimentos tecnológicos.

Open chat