Mulheres na Ciência

Educação para ciência, uma vocação desde a infância

Curiosa e estudiosa desde menina, a química Camila Silveira da Silva narra a trajetória que a levou à paixão pela divulgação científica e destaca a importância do ensino público em sua formação

Talento precoce confirmado e premiado

Definir com segurança a carreira profissional ainda na adolescência é algo raro, mas aconteceu com Alessandra Filardy, imunologista da UFRJ, que, em 2022, foi premiada pela revista Nature por seu trabalho como orientadora

A história de uma reitora que inspira

Os caminhos de superação que levaram uma menina negra e pobre do Estado do Rio a assumir o comando da Universidade Federal de Rondônia e a fazer da equidade social uma missão

Educação como modo de vida

No interior da Paraíba, aos 14 anos, Maria do Socorro Diniz teve sua primeira experiência como professora, iniciando uma trajetória que a levou à Geografia, mas tendo sempre o desenvolvimento do ensino como foco e missão

Quando a ciência encontra a arte
para buscar diversidade

Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Carolina Brito é uma das criadoras de projetos e peça de teatro para incentivar o interesse de meninas pela carreira de cientista

Uma intelectual diferentona

Vice-diretora do instituto de Química da UFBA, Bárbara Carine Pinheiro da Anunciação é crítica ao padrão acadêmico produzido pelas universidades brasileiras e firme no propósito de se espelhar na sua ancestralidade para construir o futuro

Uma ligação covalente com a ciência

Realizada no ensino e na pesquisa de novas moléculas para os mais diferentes fins, professora do departamento de química da UFMG considera que o conhecimento traz a sensação de poder infinito

Desejo de solucionar problemas

Movida pela satisfação pessoal em estudar matemática, ganhadora do prêmio Para Mulheres na Ciência 2020 conta que, só no doutorado, percebeu a disparidade de gênero em sua área e, hoje, destaca seu compromisso com a equidade para grupos minoritários na academia

Abrir Chat