Mulheres na Ciência

Juventude, determinação e sensibilidade

Na primeira vez em que colocou os pés em um laboratório, Bárbara de Paula Pires Franco Guimarães sentiu que poderia ser pesquisadora. Sua intuição estava certa. Mas as surpresas pelo caminho despertariam também a vontade de ensinar. A história desta jovem cientista pode inspirar muitas mais.

Ela representa muito

Pouco tempo depois de ingressar na graduação, Alexandra Anastácio já desejava ser professora e pesquisadora na área de nutrição. Desafiando as estatísticas, tornou-se pró-reitora de graduação na UFF e, com isso, um símbolo de avanço na representatividade da mulher negra no meio acadêmico.

Múltipla e pioneira

Sem qualquer sinalização de que seria cientista, Denise Pires de Carvalho sentia-se atraída pela matemática, mas ingressou na medicina. Poderia ter seguido a clínica, mas descobriu-se pesquisadora. Conciliar o laboratório com o ensino não lhe bastou, havia espaço para a gestão. Então, ela se tornou a primeira reitora da UFRJ.

Ser cientista, uma construção

Depois de participar de um programa de iniciação científica liderado por uma mulher, uma madre, a bióloga Lucia Mendonça Previato teve certeza de que a ciência era seu objetivo. Agraciada com diversos prêmios nacionais e internacionais, ela compartilha a sua história.

Orgulho e preconceito

Alvo de bullying na escola, a psicóloga e mulher trans negra Jaqueline Gomes de Jesus conta como os livros e o conhecimento a levaram a superar barreiras e trilhar pelos caminhos da pesquisa acadêmica e do ativismo LGBT, negro e feminista.

Uma vida, dois sonhos

Com potencial para roteiro de filme, a física Vivian Miranda narra uma trajetória de conciliação entre a construção da sua identidade como mulher transexual e a carreira científica.

Cientista de coração

Jovem cientista integrante da Sociedade Brasileira de Astrobiologia troca a biologia pela física e sonha em contribuir para que a ciência seja mais acessível às crianças, especialmente às meninas.

As quatro vidas de uma historiadora

Com uma vitoriosa carreira acadêmica dedicada a dar voz aos que foram silenciados no passado, Hebe Mattos faz um retrospecto das diferentes fases de seu trabalho, que extrapola os muros da universidade com a produção de livros e filmes historiográficos.