Ciência Hoje/ RJ

Muito antes de ter seu rosto estampado numa nota de mil cruzeiros, o bigodão e a calva do Barão do Rio Branco já eram bem conhecidos. José Maria da Silva Paranhos Júnior (1845-1912), patrono da diplomacia brasileira, foi uma das personalidades públicas mais caricaturadas em seu tempo.

Entre críticas e elogios, ele foi retratado por grandes chargistas, como K-Lixto, J. Carlos, Bambino, Crispim, Lobão e Raul, em mais de mil desenhos publicados pela imprensa carioca. Alguns desses trabalhos fazem parte da exposição O barão e a caricatura: Rio Branco no traço dos caricaturistas, em cartaz na Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, até o final de outubro.

O Barão do Rio Branco conquistou status de herói junto ao público graças à consolidação das fronteiras nacionais

Ministro das Relações Exteriores entre 1902 e 1912, o Barão do Rio Branco conquistou status de herói junto ao público, graças à consolidação das fronteiras nacionais. Intermediou diversos conflitos, como a Guerra do Paraguai, e resolveu a pendência do Brasil com a Guiana Francesa sobre a região do Amapá, o que lhe garantiu o título de nobreza em 1888. Em 1902, negociou com a Bolívia o direito do Brasil sobre o Acre. “Não usou de armas para resolver essas questões. Grande conhecedor de história, geografia e direito, ele as resolveu com argumentos”, destaca o historiador e diplomata Alberto da Costa e Silva, que coordenou o ciclo de conferências sobre o centenário de morte do Barão do Rio Branco, realizado em agosto último na Academia Brasileira de Letras.

As caricaturas em exposição fazem parte da coleção de recortes de jornais do Barão do Rio Branco, organizada em 147 volumes e pertencente ao Arquivo Histórico do Itamaraty. A historiadora Angela Telles, curadora da mostra, explica que Rio Branco gostava de colecionar tudo o que saía na imprensa sobre ele e sua gestão. Ao notar que havia um volume dedicado apenas às charges, ela teve a ideia da exposição, montada originalmente em 2000 e agora reeditada em função do centenário de morte do Barão.

J Ramos Lobão
Charge do Barão do Rio Branco feita por J. Ramos Lobão e publicada em 1908 na revista ‘O Malho’. (foto: divulgação)

Ao contrário de outros políticos da época, ele era geralmente retratado de forma positiva. Imagens do ministro como um dos três mosqueteiros de Alexandre Dumas, como Rei Mago ou até como Hércules enfrentando a Hidra refletiam sua grande popularidade. Ainda assim, ele não escapou de críticas. Durante o verão de 1903, por exemplo, foi publicada uma charge onde aparecia ao lado de outros ministros, viajando para Petrópolis (RJ). “Naquela época, era comum os principais políticos abandonarem o Rio de Janeiro, fugindo das doenças que assolavam a cidade durante o verão. Petrópolis era o principal refúgio”, explica Angela.

A disputa entre Brasil e Bolívia pelo Acre rendeu uma grande quantidade de caricaturas e eram constantes as charges que o difamavam. As de Alfredo Cândido para A Larva se destacam nesse período. Contrária ao governo do presidente Rodrigues Alves, a revista atacava seus ministros. Quando Rio Branco resolveu a questão no final de 1903 e conseguiu realizar a compra do território, A Larva se redimiu e retratou o ministro de forma heroica.

A popularidade do Barão também se fez notar na propaganda. Eram comuns anúncios que exploravam sua imagem. “No meio dos recortes, encontramos comerciais de piano e até de cigarros com a figura do Rio Branco”, relata Telles.

Você leu matéria publicada no sobreCultura 10. Clique no ícone a seguir para baixar a versão integral do suplemento.  PDF aberto (gif)


Lucas Conrado Silva

Ciência Hoje/ RJ

Outras Matérias Nesta Edição

614_256 att-22160
614_256 att-22154
614_256 att-22148
614_256 att-22146
614_256 att-22142
614_256 att-22140
614_256 att-22138
614_256 att-22136
614_256 att-22134
614_256 att-22132
614_256 att-22130
614_256 att-22128
614_256 att-22126
614_256 att-22857

Outras Matéras Nesta Categoria

614_256 att-22975
614_256 att-22985
614_256 att-22993
614_256 att-22995
614_256 att-22987
614_256 att-22991
614_256 att-22989
614_256 att-22999
614_256 att-22983
614_256 att-22997
614_256 att-22963
614_256 att-22937
614_256 att-22931
614_256 att-22965
614_256 att-23039