O físico norte-americano Richard Feynman (1918-1988) visitou a trabalho o Brasil várias vezes. Em uma delas, no início da década de 1960, no Rio de Janeiro, apresentou-se para alunos da então Faculdade Nacional de Filosofia, como convidado de uma das pioneiras da física no país, Elisa Frota-Pessôa.

Passada a surpresa inicial da plateia – afinal, Feynman já era considerado um dos maiores teóricos do mundo, mesmo antes de seu Nobel de Física de 1965 –, o norte-americano, em gesto um tanto imodesto, disse aos alunos que eles poderiam fazer qualquer pergunta sobre física. Qualquer.

Na memória de um dos presentes, ficou a imagem de alguém lascando a seguinte pergunta: Por que o café, quando seca, forma aquela mancha em forma de anel? Aquela mesma testemunha relatou à seção ‘Mundo de ciência’ que a resposta do físico norte-americano não convenceu muito.

Se o relato bate com a realidade, era improvável que Feynman soubesse a resposta

Se o relato bate com a realidade, era improvável que Feynman – mesmo sendo conhecido como o homem que dominava todas as áreas da física – soubesse a resposta. Razão: ela só saiu agora – publicada na revista Nature.

Peter Yunker, da Universidade da Pensilvânia (EUA), e colegas atacaram o problema assim: testaram a evaporação de gotas de água contendo minúsculos pedaços (esféricos e elipsoides) de plástico.

Os primeiros, observou a equipe, eram transportados para a margem da gota e lá se depositam, dando, assim, origem à mancha em forma de ‘anel’ depois da evaporação. No caso do café, as partículas em suspensão são esféricas.

Os elipsoides, por sua vez, tendiam a se depositar, de modo mais ou menos uniforme, por toda a superfície ocupada pela gota.

Veja vídeo, em inglês, mostrando o experimento feito na Universidade da Pensilvânia

Artigos e experimentos anteriores já haviam começado a decifrar mistérios do fenômeno, sendo o principal deles o fato de o formato da partícula em suspensão influenciar o modo como se dá a evaporação da gota.

A equipe também descobriu que, se for acrescentada quantidade mínima de partículas elipsoides a uma solução de partículas esféricas, a mancha circular se desfaz. E daí?

Bem, parecem aqueles trabalhos de ‘ciência básica’, sem compromisso com aplicações práticas ou o desenvolvimento econômico – em tempo: grande parte das invenções que banham nosso dia a dia nasceu assim, da investigação pela investigação, simplesmente.

Não é o caso. A pesquisa tem aplicações importantes para o desenvolvimento de impressoras mais precisas, de tintas que cobrem uma superfície de modo mais homogêneo, de filmes ultrafinos e até de tecnologias ligadas ao DNA.

Cássio Leite Vieira
Ciência Hoje/ RJ

Texto originalmente publicado na CH 286 (outubro de 2011).

Outras Matérias Nesta Edição

614_256 att-21938
614_256 att-21936
614_256 att-21934
614_256 att-21932
614_256 att-21930
614_256 att-21928
614_256 att-21926
614_256 att-21924
614_256 att-21922

Outras Matéras Nesta Categoria

614_256 att-22975
614_256 att-22985
614_256 att-22993
614_256 att-22995
614_256 att-22987
614_256 att-22991
614_256 att-22989
614_256 att-22999
614_256 att-22983
614_256 att-22997
614_256 att-22963
614_256 att-22937
614_256 att-22931
614_256 att-22965
614_256 att-23039