A copa de 2014 e os ‘cucarachos’

Quando cheguei ao Brasil, vindo da Argentina, lá por 1976, logo me disseram que eu era um cucaracho. Devo reconhecer que não entendi as razões do apelido, e ninguém conseguiu explicá-las. Achei apenas curioso e não me ocorreu que poderia ser um insulto: nada indicava essa direção nos gestos. Ao contrário, achava receptivo e cordial o apelido dado pelos colegas brasileiros. Além de tudo, uma rua importante do Rio de Janeiro é a Barata Ribeiro e a palavra ‘bicho’ pode ser usada carinhosamente. Coisas de brasileiros, pensei. Mais ainda quando se considera o poder da autoimagem brasileira sobre a cordialidade, a alegria, a hospitalidade e a receptividade – tão louvadas e, segundo a mídia, constatadas em pesquisas.

Talvez a amabilidade extrema do brasileiro se transforme em seu oposto: as altas taxas de homicídio. Especificar a cadeia dessa transformação, porém, não é fácil. O historiador Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982) parece dizer isso quando fala do homem cordial, emotivo, cujo arco daria conta tanto da amabilidade quanto da extrema violência da sociedade nacional. 

Talvez a amabilidade extrema do brasileiro se transforme em seu oposto: as altas taxas de homicídio

Outro deslocamento fartamente salientado é o que vai do elogio da grandeza brasileira para a enunciação de seu ‘complexo de inferioridade’, a famosa metáfora do ‘vira-latas’ criada pelo escritor Nelson Rodrigues (1912-1980), esse popular frasista. Ele também dizia que toda unanimidade é burra e, com base nisso, gosto de brincar com um silogismo: se a unanimidade é burra e se, por unanimidade, o Brasil tem o melhor futebol, então o Brasil é burro. Ou com a aparente contradição entre ‘unanimidade burra’ e ‘acreditar unanimemente em algo’. 

Na Copa do Brasil, recém-encerrada, os deslocamentos foram postos de novo em circulação pública. Passamos muito rapidamente da ‘pátria de chuteiras’ à ‘pátria descalça’, ou com chuteiras cada vez menores. Salientar esses altos e baixos da autoimagem do Brasil é uma constante entre ensaístas e pesquisadores. Eles afirmam que o Brasil é um país ciclotímico. Mais ainda a partir do futebol, área em que os resultados têm um peso quase absoluto e os jornalistas reveem suas projeções a partir dos resultados. Um exemplo está nas opiniões sobre a seleção brasileira antes, durante e depois da Copa do Mundo.

Origens da cucaracha 

Volto ao qualificativo do início do texto. Certamente, os brasileiros estariam colocados fora da tribo dos cucarachos: estes são os outros. Os latino-americanos são os cucarachos e, clara e distintamente, os falantes de espanhol. Na infância, cantávamos uma música sobre “La cucaracha ya no puede caminar, porque no tiene, porque le faltan las dos patitas de atrás”. As mamitas carinhosas até podiam chamar seus filhotes de cucarachitas, talvez porque deviam ser protegidas para não serem pisadas. 

Argentinos
Os brasileiros deveriam se assumir como ‘cucarachos’ – tidos como os outros, os falantes de espanhol? Ou deveriam adotar uma mesma identidade latino-americana? (foto: Pedro Revillion/ Flickr – CC BY-NC-SA 2.0)

Aliás, pisar uma barata sempre foi um joguinho que gerava o prazer dos sons crack e crusch, que parecem próximos do termo inglês cockroach. Com esses antecedentes, eu não me podia sentir ofendido quando me diziam “cucaracho, lhe pago um chope”.

A música La cucaracha é um famoso corrido mexicano, cujo momento de auge ocorreu durante a Revolução Mexicana, nas primeiras décadas do século 20, embora suas origens sejam atribuídas, de modo obscuro, aos tempos da tomada da cidade de Granada, em 1492, que encerrou a guerra contra a presença árabe na Espanha. Como bom produto popular, teve variadas versões. Contudo, um fato se destaca. Cucaracha foi, e talvez ainda seja, o nome popular da marihuana (maconha) no México. Assim, em uma das antigas versões, a música dizia: “no podía caminar, porque no tenía marihuana pa’ fumar”.

Cultural e politicamente, La cucaracha está enraizada na história mexicana. E também na gastronomia

Cultural e politicamente, então, La cucaracha está enraizada na história mexicana. E também na gastronomia: há restaurantes com esse nome em Estocolmo (Suécia) e em outros lugares: a comida mexicana não rejeita o inseto e o põe como marca de uma tradição gastronômica, como se pode comprovar acessando a internet.

Nada disso devia ser sabido pelas mamás porteñas que ensinavam a canção e, ainda menos, pelas crianças que a cantavam em sua versão mais inocente (a das patitas). Não sabíamos que a primeira versão gravada foi da dupla mexicana Paz Flores e Francisco Montalvo, em 1934, seguida pela interpretação do norte-americano Louis Armstrong, em 1935. De lá para cá, as gravações são muitas. Uma visita ao YouTube permitirá desfrutar ou odiar algumas delas. Dizem que os norte-americanos chamam os mexicanos de cucarachas ou cucarachos.

Talvez simplesmente porque estes cantam a música que tem esse nome. Ou por conta de seus quentes sonhos com o estilo de vida mexicano que, curiosamente, lembram os sonhos dos hermanos argentinos sobre o Brasil, na busca de um exoesqueleto feito de Sol, tequila ou cachaça, marihuana, sonos e sonhos nos doces braços de uma mestiça, mulata, talvez chamada Leonor (como em outra música, O rancho da goiabada).

Você leu apenas o início do artigo publicado na CH 318. Clique aqui para acessar uma versão parcial da revista e ler o texto completo. 

 

Hugo Rodolfo Lovisolo
Grupo de Esporte e Cultura
Universidade do Estado do Rio de Janeiro (professor aposentado) 

Outras Matérias Nesta Edição

614_256 att-22597
614_256 att-22595
614_256 att-22593
614_256 att-22591
614_256 att-22589
614_256 att-22585
614_256 att-22583
614_256 att-22581

Outras Matéras Nesta Categoria

614_256 att-22975
614_256 att-22985
614_256 att-22993
614_256 att-22995
614_256 att-22987
614_256 att-22991
614_256 att-22989
614_256 att-22999
614_256 att-22983
614_256 att-22997
614_256 att-22963
614_256 att-22937
614_256 att-22931
614_256 att-22965
614_256 att-23039