Como funcionam os radares de trânsito?

O ‘radar’ usado nas cidades (conhecido também como ‘pardal’) não é, na verdade, um radar, mas um sensor localizado no chão trabalhando em conjunto com uma câmera digital e um flash.

Trata-se de uma bobina enterrada debaixo do asfalto, exatamente nas faixas em que passam os carros. A bobina é dupla e detecta a presença de um material ferromagnético, ou seja, um veículo. A distância entre as bobinas dividida pelo tempo de passagem do carro entre elas aponta a velocidade do veículo. Se esta for superior à velocidade registrada na memória do computador, o flash dispara e uma foto da placa do carro é tirada.

O resto você já sabe: a foto segue para o Departamento Estadual de Trânsito (Detran), que envia a multa para o motorista infrator. O valor da multa é dividido entre a empresa responsável pelo sensor e o Detran, sendo que a maior parte vai para a primeira para estimulá-la a manter o mecanismo ligado e afinado, isto é, em boas condições de funcionamento.

Existe também o radar portátil. Este, sim, é um radar de verdade, que mede a velocidade dos veículos por meio de um fenômeno físico natural chamado de efeito Doppler. O físico austríaco Christian Doppler (1803-1853) descreveu esse efeito, em que o comprimento de onda observado é maior ou menor conforme sua fonte se afaste ou se aproxime do observador.

Podemos perceber isso no nosso cotidiano: quando estamos parados ao lado de uma estrada e passa uma ambulância com a sirene ligada, notamos que enquanto ela se aproxima de nós o som é mais agudo (a frequência é maior) e enquanto ela se afasta o som é mais grave (a frequência é menor).

O modelo matemático baseado nessa constatação é usado no radar: este envia um sinal de rádio na direção do veículo e depois capta a reflexão (nesse veículo) do sinal, que retorna ao aparelho com uma frequência diferente, proporcional à velocidade do carro. Um sistema eletrônico no radar mede essa frequência e calcula, com base no valor obtido, a velocidade do veículo.

Marcelo Martins Werneck
Departamento de Eletrônica, Escola Politécnica,
Universidade Federal do Rio de Janeiro

 

Outras Matérias Nesta Edição

Outras Matéras Nesta Categoria

614_256 att-22975
614_256 att-22985
614_256 att-22993
614_256 att-22995
614_256 att-22987
614_256 att-22991
614_256 att-22989
614_256 att-22999
614_256 att-22983
614_256 att-22997
614_256 att-22963
614_256 att-22937
614_256 att-22931
614_256 att-22965
614_256 att-23039