Lixo eletrônico: gestão e sustentabilidade

Os resíduos eletrônicos poderiam deixar de ser uma ameaça ao ambiente e se tornarem um modelo de negócio, com geração de emprego e renda, dentro do conceito de economia circular?

Até o próximo dia 30 de agosto encontra-se em consulta pública o documento para o acordo setorial entre os agentes participantes do sistema de logística reversa de equipamentos eletroeletrônicos no Brasil. Este documento especifica os requisitos para a gestão dessa categoria de resíduos e representa um marco em um segmento cuja regulamentação teve início em 2010. Estamos falando de lixo eletrônico: algo que produz impacto ambiental, mas também tem possibilidade de retorno financeiro, a partir da recuperação de materiais valiosos como ouro, platina e terras raras. O Centro de Tecnologia Mineral está desenvolvendo uma pesquisa a respeito do potencial de recuperação de terras raras. A proposta tem como ponto forte a proposição de um modelo de mineração urbana, sinalizando que tanto a pesquisa quanto os instrumentos regulamentadores podem convergir para a sustentabilidade de processos produtivos, o estabelecimento de novos modelos de negócio e geração de emprego e renda dentro do conceito de economia circular. Qual a sua opinião sobre este assunto? Têm dúvidas? Participe do chat da Ciência Hoje. Use a seção abaixo para interagir com a cientista Lucia Xavier!

Lucia Xavier
Centro de Tecnologia Mineral – CETEM

USE A SEÇÃO ABAIXO PARA INTERAGIR COM O AUTOR

Seu e-mail não será compartilhado com terceiros.

Matéria publicada em 07.08.2019

COMENTÁRIOS

Abrir Chat