Pavimentação com bagaço de cana

Pesquisadores comprovaram que o bagaço de cana pode ser usado como aditivo estabilizante para o asfalto, evitando que o cimento escorra durante as etapas de mistura ou de aplicação.

“A principal vantagem do bagaço de cana em relação às outras fibras é o custo significativamente inferior”, afirma Cláudio Leal, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFF). “Além disso, o aproveitamento desse rejeito industrial também contribui para o desenvolvimento sustentável”, ressalta o pesquisador.

O uso do bagaço de cana evita que toneladas desse resíduo sejam descartadas sem aproveitamento

A solução foi desenvolvida para o asfalto do tipo pedra matrix (ou SMA, na sigla em inglês), desenvolvido na Alemanha no final da década de 1960. Essa mistura asfáltica é empregada em rodovias com tráfego intenso, aeroportos, áreas de carga e descarga, paradas de ônibus, estacionamentos e até em pavimentos perpétuos.

“Em função do contato grão a grão das britas maiores, o SMA é mais resistente a deformações permanentes do que misturas asfálticas convencionais”, aponta Leal. O uso do bagaço de cana na mistura evita que toneladas desse resíduo sejam descartadas sem aproveitamento.

Fibra de celulose versus bagaço de cana: uso para misturas asfálticas
A fibra de celulose é substituída por bagaço de cana de açúcar, resíduo industrial que, antes despejado no meio ambiente, passa a ser reaproveitado (foto: Cláudio Leal).

20% do bagaço vira resíduo

De acordo com o pesquisador, a produção de açúcar e álcool gera cerca de 270 kg de bagaço por tonelada de cana de açúcar moída. Estima-se que a safra brasileira produza aproximadamente 132 milhões de toneladas de bagaço por ano.

O aproveitamento deste rejeito industrial é simples: “O bagaço precisa apenas ser seco e peneirado”

Embora a maior parte seja queimada nas caldeiras das próprias usinas para geração de energia térmica ou elétrica, cerca de 20% são rejeitados no meio ambiente.

O aproveitamento deste rejeito industrial é simples: “O bagaço precisa apenas ser seco e peneirado. É diferente da produção da celulose, que envolve a polpação da madeira, um processo químico complexo e que gera alguns efluentes”, distingue Leal.

Considerando-se que a produção de uma tonelada de SMA absorve cerca de 3 kg de aditivo, o gasto com a fibra de celulose é de aproximadamente R$ 12 por tonelada de asfalto. Sua substituição, portanto, representaria uma redução de custos significativa.

A construção de um trecho experimental usando a nova fórmula do SMA está prevista para o segundo semestre de 2010, na BR-356, entre Campos dos Goytacazes e São João da Barra, no norte fluminense do estado do Rio de Janeiro.

“Já foi feito um inventário do pavimento existente, e o projeto de reforço foi elaborado”, diz o pesquisador. A vida útil do asfalto SMA é quase 50% maior do que a de misturas comuns. 

Bruna Ventura
Ciência Hoje/RJ

Texto publicado na CH 270 (maio/2010)

Outras Matérias Nesta Edição

614_256 att-21674
614_256 att-21670
614_256 att-21668
614_256 att-21666
614_256 att-21662
614_256 att-21664
614_256 att-21660
614_256 att-21658

Outras Matéras Nesta Categoria

614_256 att-22975
614_256 att-22985
614_256 att-22993
614_256 att-22995
614_256 att-22987
614_256 att-22991
614_256 att-22989
614_256 att-22999
614_256 att-22983
614_256 att-22997
614_256 att-22963
614_256 att-22937
614_256 att-22931
614_256 att-22965
614_256 att-23039