A descoberta e a divulgação no campo da ciência não são atividades isoladas. A caricatura do cientista, isolado de seu tempo e de seu espaço sociais e envolvido em suas próprias descobertas secretas, pertence ao domínio da mitologia. Na melhor das hipóteses, seu fundamento de verdade pode ser encontrado em épocas e sociedades nas quais a censura e o osbcurantismo impunham limites imensos à livre investigação.

Mas, mesmo nesses casos extremos, redes e aproximações entre investigadores acabaram por se formar. Em outros termos, nem mesmo em tempos sombrios os cientistas trabalharam em solidão.

A ciência é um dos mais importantes aspectos da cultura contemporânea. Mais do que nunca, a ciência, além do talento e da iniciativa individuais, exige a existência e a viabilidade de instituições científicas permanentes. A ameaça à existência de instituições científicas é letal para a descoberta e para a difusão de conhecimento.

A ameaça à existência de instituições científicas é letal para a difusão do conhecimento

Tal ameaça paira hoje sobre uma das mais importantes instituições científicas brasileiras, no campo das ciências sociais: o Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj). Criado nos anos 1960, sua história confunde-se com a das ciências sociais brasileiras, em especial no campo da ciência política e da sociologia.

Vinculado a uma universidade privada – a Universidade Candido Mendes –, o Iuperj, não obstante, ofereceu ao longo dos anos ensino gratuito de pós-graduação, tanto no mestrado quanto no doutorado. Seus cursos, segundo avaliações oficiais, estão entre os melhores nas áreas em que trabalha.

Apesar dos propósitos originais de seu criador – Candido Mendes de Almeida –, a crise da universidade à qual está vinculado inviabiliza a sobrevivência do Iuperj.

Ciência Hoje publica nesta edição uma esclarecedora entrevista com o atual diretor executivo do Iuperj, na qual são discutidas as razões da crise e as possíveis saídas. Ao fazê-lo, a CH pretende deixar claro seu apoio e sua convicção de que, sem instituições científicas fortes, as perspectivas da descoberta e da difusão da ciência são preocupantes.

Renato Lessa
Diretor-presidente do Instituto Ciência Hoje

Editorial publicado na CH 270 (maio/2010)

Outras Matérias Nesta Edição

614_256 att-21674
614_256 att-21672
614_256 att-21670
614_256 att-21668
614_256 att-21666
614_256 att-21664
614_256 att-21660
614_256 att-21658

Outras Matéras Nesta Categoria

614_256 att-22975
614_256 att-22985
614_256 att-22993
614_256 att-22995
614_256 att-22987
614_256 att-22991
614_256 att-22989
614_256 att-22999
614_256 att-22983
614_256 att-22997
614_256 att-22963
614_256 att-22937
614_256 att-22931
614_256 att-22965
614_256 att-23039