Na década de 1920, um grupo de historiadores franceses – o Grupo dos Annales – escreveu manifestos, fundou uma revista e estabeleceu estratégias universitárias para fazer triunfar a ‘história-problema’. Um dos expoentes desse grupo, Lucien Febvre (1878-1956), esclareceu que eles não queriam escrever trabalhos de história como se fossem velhotas que tecem tapeçarias, ou seja, com pequenos pontos de lã. Era preciso deixar de lado datas, fatos, nomes, considerados miuçalha inútil, e se debruçar sobre processos, problemas, temporalidades amplas.

Vários adeptos dos Annales baniram personagens e acontecimentos de seus trabalhos, trazendo para o primeiro plano a análise de conjunturas de alta e baixa de preços, tendências seculares de revolta social, objetos como o mar, o clima, as estruturas familiares. Os críticos dessa história repaginada se perguntaram em que ela era, afinal, diferente de disciplinas mais jovens, como a economia, a sociologia, a antropologia, e temeram pelo desaparecimento da especificidade do conhecimento histórico. 

A partir do grupo dos Annales, poucos historiadores acreditariam ser possível, por meio da pesquisa sistemática, reconstituir o passado com exatidão

As questões trazidas pelo grupo dos Annales já eram um indício da crise dos paradigmas que, anos depois, abalaria várias formas de conhecimento. Daí em diante, poucos historiadores acreditariam ser possível, por meio da pesquisa sistemática, reconstituir o passado com exatidão. Não caberia mais à narrativa histórica recriar ou devolver o passado, mas aproximar-se dele e tentar compreendê-lo.

Em geral, o grande público não gosta dessa história-problema, que lhe parece descarnada e insípida. A voga das biografias pode ser explicada, em grande parte, como expressão de certa nostalgia em relação a formas mais tradicionais de narrar a história, com certezas e detalhes, bem como da curiosidade natural por enredos e futricas – os tais pontinhos da tapeçaria.

A volta das biografias

Considerada um gênero menor por historiadores acadêmicos e mais profissionalizados, a biografia voltou com força total conforme a sociedade se pautou mais e mais pelo consumo, e o individualismo levou a melhor sobre formas coletivas de ação. Há biografias e biografias, e não é fácil fazer uma que seja boa, por vários motivos. Como diz o verso de Ferreira Gullar, musicado por Paulinho da Viola, a vida não é uma equação, não pode ser resolvida: “A vida, portanto, meu caro, não tem solução”.

O biógrafo se debruça sobre a vida do outro, dá-lhe um sentido que, com frequência, não teve, ressalta nela uma lógica que lhe é alheia. Talvez por isso a boa biografia seja, muitas vezes, aquela que transcende o indivíduo e elucida a época. Como a escrita por Charles Boxer (1904-2000) sobre Salvador Correia de Sá (1602-1688), que é também uma história da importância do oceano Atlântico no império português do século 17. 

revista annales
Com a criação do periódico acadêmico ‘Annales’, um grupo de historiadores franceses estabeleceu estratégias para fazer triunfar a chamada ‘história-problema’, que se debruça sobre processos e temporalidades amplas. (foto: Reprodução)

Escrevi uma pequena biografia do poeta Cláudio Manuel da Costa (1729-1789), sobre quem há pouquíssima documentação, e resolvi explicitar as lacunas: a biografia não é ficção; tenta ser precisa, mas não pode deixar de lado a dúvida; lança mão da criatividade, mas, quando não tem certeza, cogita em vez de inventar.

Há hoje no Brasil uma polêmica sobre o direito de se escrever biografias, mesmo as não autorizadas. Defendo esse direito, em nome da coerência profissional e da liberdade de expressão. Mas reconheço que o cuidado há de ser redobrado quando o biografado está vivo. Primeiro, porque o interesse pela ‘vida dos outros’ tem implicações muito complexas – quem não se lembra do maravilhoso filme alemão com esse nome? –, sendo necessário fugir do vulgar, do superficial, e ressaltar o que de fato interessa à compreensão. 

Depois, porque posso imaginar a perplexidade dos biografados vivos ao se deparar com as soluções que seus biógrafos deram aos impasses e dilemas que lhes pontuaram a vida. Os mortos, ao menos, estão protegidos porque ignoram, até prova em contrário, qual o seu destino póstumo cá na Terra.

Laura de Mello e Souza
Departamento de História
Universidade de São Paulo

Texto originalmente publicado na CH 310 (dezembro de 2013).

Outras Matérias Nesta Edição

614_256 att-22431
614_256 att-22429
614_256 att-22427
614_256 att-22425
614_256 att-22423
614_256 att-22421
614_256 att-22417
614_256 att-22415
614_256 att-22413
614_256 att-22411
614_256 att-22409
614_256 att-22407

Outras Matéras Nesta Categoria

614_256 att-22975
614_256 att-22985
614_256 att-22993
614_256 att-22995
614_256 att-22987
614_256 att-22991
614_256 att-22989
614_256 att-22999
614_256 att-22983
614_256 att-22997
614_256 att-22963
614_256 att-22937
614_256 att-22931
614_256 att-22965
614_256 att-23039