Paz interna, prosperidade econômica e um sistema político funcional. Esse era o ambiente do período do Segundo Reinado, quando se consolidou no Brasil a noção de unidade nacional. Foi nessas circunstâncias que se formou o pensamento de Joaquim Nabuco, falecido há 100 anos. Atividades promovidas por diversas instituições, livros e a aprovação de uma lei que torna 2010 o Ano Nacional Joaquim Nabuco marcam o centenário de sua morte.

Mais lembrado nos livros escolares por sua luta contra o trabalho escravo, o parlamentar, escritor e diplomata deixou ainda obras que revelam suas ideias sobre a história do país e sobre os caminhos que este deveria trilhar para alcançar um futuro de harmonia social e progresso.

Nabuco hesita entre o ativismo entusiasmado, a renúncia à vida pública, a aversão e a tentação do recolhimento estudioso

Nabuco é quase um clichê da história dos intelectuais no Brasil: membro da elite que se interessa pela causa dos oprimidos, literato diletante que se ocupa dos assuntos públicos, estudioso e polemista que se dedica a pensar sobre os destinos do país.

Manifesta-se frequentemente diante dos acontecimentos políticos, ora com vigor (assim foi na campanha abolicionista), ora desencantado (como nos primeiros tempos da República, ambiente que ele, um monarquista, considerava desfavorável ao país), mas hesita entre o ativismo entusiasmado, a renúncia à vida pública, a aversão e a tentação do recolhimento estudioso do escritor.

O itinerário político e intelectual de Nabuco é muitas vezes traçado, de maneira um tanto sumária, mas não de todo improcedente, entre dois polos. Um início combativo, no qual a militância abolicionista o faz enfrentar a sociedade brasileira, e outra atitude, depois de 15 de novembro de 1889, quando teriam agido os atavismos de classe e ele passa a ser o analista conservador de seus livros da maturidade, elaborados com a nostalgia do Segundo Reinado, a seus olhos a mais harmoniosa construção histórica da América do Sul.

O homem e seu tempo

Joaquim Aurélio Barreto Nabuco de Araújo nasceu em 19 de agosto de 1849 no Recife, filho do futuro senador e ministro da Justiça José Tomás Nabuco de Araújo (1813-1878) e de Ana Benigna de Sá Barreto, esta também de uma família de grande influência em Pernambuco desde o século 16.

Nabuco pertencia à geração de Machado de Assis, André Rebouças, Rui Barbosa e Castro Alves

Pertencia a uma geração que faria 20 anos entre 1868 e 1878, o decênio “mais notável de quantos no século 19 constituíram a nossa labuta espiritual”, segundo o crítico literário e ensaísta Sílvio Romero (1851-1914), ele mesmo pouco mais novo.

Essa geração incluía nomes como o escritor Machado de Assis (1839-1908), o engenheiro André Rebouças (1838-1898), o diplomata José Maria Paranhos Júnior (o barão do Rio Branco, 1845-1912), o escritor e jurista Rui Barbosa (1849-1923), o poeta e jurista Tobias Barreto (1839-1889) e o poeta Castro Alves (1847-1871).

Por suas qualidades intelectuais, tratava-se de um grupo de jovens candidatos naturais a fazer parte da elite do país, mas que viria também a se beneficiar de um contexto histórico excepcionalmente favorável.

Você leu apenas o início do artigo publicado na CH 273. Clique no ícone a seguir para baixar a versão integral.  PDF aberto (gif)

José Almino de Alencar
Fundação Casa de Rui Barbosa,
Ministério da Cultura

Outras Matérias Nesta Edição

614_256 att-21726
614_256 att-21722
614_256 att-21720
614_256 att-21718
614_256 att-21716
614_256 att-21714
614_256 att-21712
614_256 att-21710
614_256 att-21708

Outras Matéras Nesta Categoria

614_256 att-22975
614_256 att-22985
614_256 att-22993
614_256 att-22995
614_256 att-22987
614_256 att-22991
614_256 att-22989
614_256 att-22999
614_256 att-22983
614_256 att-22997
614_256 att-22963
614_256 att-22937
614_256 att-22931
614_256 att-22965
614_256 att-23039