Agregados demográficos não são sinônimos de nações. Claro está que não há nação real – não falo das imaginárias – que não contenha base demográfica. População, coortes geracionais, dispersão/concentração pelo território, entre outras, são marcas obrigatórias a ser consideradas quando perguntamos, diante de alguma experiência nacional, “que nação é esta?”

Não há nação que dispense a presença de narrativas sobre si, que a apresentam – e reapresentam – como espaço nacional

No entanto, se o suporte demográfico é indispensável, está longe de ser suficiente para marcar distinções e particularidades nacionais. O gosto norte-americano pelo beisebol, tanto quanto o brasileiro pelo futebol, dificilmente poderá ser explicado por variáveis demográficas, assim como inúmeras particularidades identitárias, inerentes a todas as sociedades.

A ideia de nação como algo mais denso que a de população pressupõe o compartilhamento de narrativas a respeito de uma experiência nacional comum. A circularidade da frase é proposital: não há nação que dispense a presença de narrativas sobre si, que a apresentam – e reapresentam – como espaço nacional. Se quisermos, podemos falar em mitos que, independentemente de sua verdade factual, são compartilhados e fundam e mantêm identidades.

Mas nem tudo nessas narrativas compartilhadas deriva de ficções sobre origens míticas, como a loba romana ou a fixação do decálogo mosaico. Memórias e experiências comuns compõem aspectos fundamentais dessas narrativas, que não se reduzem a fábulas e constituem o acervo que temos para tentar responder perguntas a respeito do que somos, como coletivo nacional.

Prédio da UNE em 1964
Policiais cercam prédio da União Nacional dos Estudantes (UNE) em 1964, quando teve início o regime militar no Brasil. (foto: Arquivo UNE/ Flickr – CC BY-NC 2.0)

Os anos vividos pelo Brasil sob estado de exceção – entre 1964 e 1985 – foram marcados por contínuas violações dos direitos humanos, por parte do Estado e de seus agentes públicos. Revelações recentes e esparsas dão alguma medida do horror dos corpos torturados, dos assassinatos e dos desaparecimentos.

A anistia decretada nos anos 1980 abrangeu as ações da resistência armada ao regime de exceção e estendeu sua cobertura aos “crimes conexos”, eufemismo que pretendia designar os atos cometidos pelos órgãos ditos de segurança. Tal anistia compreensiva, desde o início, estabeleceu uma assimetria: sabia-se quem eram os que se opuseram ao regime militar, mas deveriam permanecer desconhecidos os que perpetraram violações dos direitos humanos, definidas segundo critérios internacionalmente reconhecidos.

Tal manto de proteção, para além de ocultar os perpetradores, encobertos assim pelo segredo, trouxe a expectativa de que sua invisibilidade pudesse ser estendida aos mortos e desaparecidos. Saber a verdade a respeito de como morreram e de como e onde foram enterrados, implicaria, de acordo com uma versão ainda viva no país, em violar os termos da anistia, por criar condições para o surgimento de um ânimo punitivo com relação aos perpetradores de torturas e assassinatos.

O silêncio com relação aos perpetradores suprime da memória compartilhada pelo país um aspecto crucial da experiência das duas décadas de exceção

O silêncio com relação aos perpetradores implica, portanto, a invisibilidade das vítimas e, por extensão, suprime da memória compartilhada pelo país um aspecto crucial da experiência das duas décadas de exceção.

A implantação da Comissão da Verdade, no Brasil, em gesto que segue o já adotado em dezenas de países que passaram por regimes de exceção, poderá vir a ser o marco de uma virada histórica. Para os familiares dos desaparecidos, para os que viveram a experiência da resistência e para o país em seu conjunto. Em especial para as gerações que não viveram – e, espero, não venham a viver – o horror de ser governadas por ditadores. Elas poderão construir suas interpretações próprias a respeito da história recente do país com base em uma narrativa que retira do silêncio experiências cruciais para o entendimento a respeito do que somos como nação.

Renato Lessa
Departamento de Ciência Política
Universidade Federal Fluminense e
Instituto de Ciências Sociais
Universidade de Lisboa

Texto originalmente publicado na CH 293 (junho de 2012).

Outras Matérias Nesta Edição

614_256 att-22108
614_256 att-22102
614_256 att-22096
614_256 att-22090
614_256 att-22082
614_256 att-22080
614_256 att-22078
614_256 att-22076
614_256 att-22074
614_256 att-22072
614_256 att-22070
614_256 att-22068

Outras Matéras Nesta Categoria

614_256 att-22975
614_256 att-22985
614_256 att-22993
614_256 att-22995
614_256 att-22987
614_256 att-22991
614_256 att-22989
614_256 att-22999
614_256 att-22983
614_256 att-22997
614_256 att-22963
614_256 att-22937
614_256 att-22931
614_256 att-22965
614_256 att-23039