Supermercados: espaços de cultura científica?

A ideia de ciência como atividade que traz benefícios e progresso para a humanidade é bem disseminada. Por isso, quando um produto industrial utiliza termos científicos em sua embalagem ou em sua propaganda, os consumidores são levados a crer que aquele produto é inovador ou apresenta vantagens em relação aos concorrentes. O uso da ciência – ou do conceito de ciência existente na sociedade – para estimular o consumo, por ampla variedade de produtos, torna os supermercados e locais afins divulgadores coadjuvantes de ciência?

A ciência está tão difundida na sociedade que uma simples ida ao supermercado pode suscitar uma série de questões relacionadas a esse campo do conhecimento. Nas prateleiras vemos grande quantidade de produtos que apresentam, nos rótulos e nas propagandas, diversas referências a termos científicos. É o caso daqueles que dizem ter vitaminas e sais minerais, lactobacilos vivos e até elementos químicos como zinco, selênio, potássio e ferro, a exemplo de certos pudins, pães e achocolatados.

O uso de termos científicos visa chamar a atenção do consumidor e convencê-lo de que um produto é melhor que os demais

O uso dessas palavras visa chamar a atenção do consumidor e convencê-lo de que um produto é melhor que os demais por ser enriquecido com determinados elementos, incluir novas tecnologias ou produzir efeitos mais precisos.

Um sabão em pó alega ter uma tecnologia que remove manchas mais que os outros, pois é multiação. Há iogurtes que dizem conter Dan regularis, bacilo que ajuda o intestino, pastilhas para vasos sanitários que afirmam ter bicarbonato de sódio em sua fórmula e muitos outros exemplos.

De modo mais ou menos intenso, a ciência presente em vários produtos é usada como forma de propaganda. Muitos desses conceitos são de entendimento relativamente fácil para boa parte do público, mas isso não acontece com outros, o que pode gerar uma mistificação da ciência.

Supermercado
As prateleiras dos supermercados estão repletas de produtos que fazem referência a termos científicos em seus rótulos como forma de propaganda. (foto: Flickr/ astro1991 – CC BY 2.0)

Já que essas mercadorias são veículos de termos científicos, poderiam os supermercados ser considerados espaços de divulgação da ciência, ou lugares que contribuem para a formação de uma cultura científica?

Devemos ressaltar que o objetivo, aqui, não é verificar a validade dos efeitos alegados pelos produtos ou a veracidade dos processos tecnológicos supostamente usados em sua fabricação, e menos ainda checar se de fato contêm os elementos e compostos anunciados. O que procuramos estabelecer é a relação entre público, ciência e marketing, entendendo como esse tripé está associado do ponto de vista da divulgação da ciência.

Divulgação na prateleira

Quando vê produtos com termos científicos, o consumidor – quer os entenda ou não – torna-se consciente da existência dessas palavras e de sua circulação na sociedade. Portanto, de alguma forma, os termos científicos nas embalagens divulgam algo no campo da ciência, ainda que de forma bem menos complexa e intencional do que as instituições voltadas especificamente para essa divulgação.

Nos supermercados, não se trata de transformar a ciência em produto, e sim de usá-la para auxiliar a promoção de um produto

Alguns podem ver isso apenas como estratégia de propaganda: o ‘marketing científico’. No entanto, o princípio básico dessa modalidade de marketing, segundo a cientista social Sarita Albagli, é o de que o conhecimento – e sobretudo o discurso que o contém – também é um produto. Nesse caso, o público deve ser seduzido pelo discurso e absorver a ideia de que consumir um conhecimento (ir a feiras científicas ou museus, adquirir publicações ligadas à ciência etc.) é bom para ele.

Nos supermercados, não se trata de transformar a ciência em produto, e sim de usá-la para auxiliar a promoção de um produto. No marketing científico, os recursos mercadológicos são aplicados para estimular o consumo do próprio conhecimento e de produtos relacionados às ciências.

No caso do uso de termos científicos para atrair o consumidor, ocorre o inverso: o conhecimento científico é aproveitado no fazer mercadológico. Com base nisso, podemos entender o supermercado e outros locais afins como espaços coadjuvantes de divulgação da ciência.

Você leu apenas o início do ensaio publicado na CH 290. Clique no ícone a seguir para baixar a versão integral.

PDF aberto (gif)

Luis Felipe Dias Trotta e
Moema de Rezende Vergara

Museu de Astronomia e Ciências Afins,
Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Outras Matérias Nesta Edição

614_256 att-22032
614_256 att-22028
614_256 att-22026
614_256 att-22022
614_256 att-22020
614_256 att-22018
614_256 att-22016
614_256 att-22014
614_256 att-22012
614_256 att-22010
614_256 att-22008
614_256 att-22006
614_256 att-22004
614_256 att-22002

Outras Matéras Nesta Categoria

614_256 att-22975
614_256 att-22985
614_256 att-22993
614_256 att-22995
614_256 att-22987
614_256 att-22991
614_256 att-22989
614_256 att-22999
614_256 att-22983
614_256 att-22997
614_256 att-22963
614_256 att-22937
614_256 att-22931
614_256 att-22965
614_256 att-23039