Na Estante

A estranha trajetória do húbris

A expressão em inglês ‘histórias do tipo just-so’é atribuída ao escritor Rudyard Kipling e significa que se cria uma história para justificar uma hipótese qualquer. É mais um desiderato do que uma explicação propriamente dita. Tudo se encaixa direitinho porque a narrativa que confirma cada detalhe da proposta foi elaborada posteriormente em relação às observações iniciais. As histórias just-so, em geral, não podem ser comprovadas ou falseadas porque essencialmente não têm base na realidade.

O livro de António Damásio A estranha ordem das coisas: as origens biológicas dos sentimentos e da cultura(Companhia das Letras, 2018) representa um bom exemplo de histórias do tipo just-so. O autor defende a ideia de que os sentimentos compreendem um mecanismo homeostático que atuaria ao nível do complexo sistema nervoso dos humanos. A homeostase significa, em biologia, o conjunto de mecanismos que mantém constantes as condições de um organismo frente a um ambiente variável.

Essa tese é desenvolvida por meio de argumentos que se baseiam mais na imaginação do autor do que em fatos e cuja premissa não é transparente, pois depende muito de acompanhar o raciocínio de Damásio. Ele abusa de definições que, em muitos casos, não são muito claras. Por exemplo, já no início do livro, o leitor aprende a diferenciar emoção de sentimentos. Segundo Damásio, um sentimento é: “a experiência invisível sobre a reação a um determinado estímulo”. E por aí vai. O resultado geral é que o estilo empregado por Damásio nesse livro se torna quase tão convoluto como o próprio cérebro.

A estranha ordem das coisas: as origens biológicas dos sentimentos e da cultura
António Damásio; Tradução: Laura Teixeira Motta.
São Paulo, Companhia das Letras
344 p., R$ 64,90; e-book: R$ 39,90

Franklin Rumjanek

Instituto de Bioquímica Médica
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Formigueiro matemático

Uma série de animação japonesa serviu de base para uma pergunta intrigante que custou anos para que a comunidade matemática chegasse a uma resposta aproximada. E o desafio continua.

Um tempo para cada um

O que é o tempo? Ele é igual para todos? Tem realidade física ou é mera ilusão? Essas perguntas sobre esse conceito – tão fascinante quanto intrigante –vêm sendo objeto de questionamentos por milênios.