Se a tecnologia fosse usada para acentuar sinais corporais de humanos em situações de estresse, reproduzindo um comportamento típico dos outros animais, seria possível evidenciar mentiras e corrupção e evitar disputas e até guerras.

 

A interessantíssima e bem cuidada série de televisão britânica Black mirror, lançada em 2011, tem como fio condutor a relação entre os humanos e a tecnologia; ou melhor, os episódios mostram como a tecnologia atual, ou aquela de um futuro próximo, serve para traçar uma radiografia da essência humana. Por isso, não surpreende o fato de que a maioria das narrativas da série acena para um futuro sombrio, pessimista, embora perfeitamente previsível.

Como sabemos, a nossa espécie não convive bem com o meio ambiente, ou mesmo com seus semelhantes. Excetuando-se, claro, o engajamento com a arte, os humanos têm um triste registro histórico de destruição e de guerras que nem sempre tem como causa a luta pela sobrevivência, como ocorre com outras espécies do planeta. Comportamentos como crueldade e ganância são tipicamente humanos e não têm paralelo na natureza.

Franklin Rumjanek
Instituto de Bioquímica Médica,
Universidade Federal do Rio de Janeiro

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Outros conteúdos desta edição

coringa
614_256 att-32054
614_256 att-27650
614_256 att-30742
614_256 att-30721
614_256 att-30736
614_256 att-30677
614_256 att-28855
614_256 att-30618
614_256 att-30608
614_256 att-30486
614_256 att-30446
614_256 att-30399
614_256 att-30381
614_256 att-30342

Outros conteúdos nesta categoria

614_256 att-38926
614_256 att-38239
614_256 att-37536
614_256 att-36896
614_256 att-36159
614_256 att-35289
614_256 att-34502
614_256 att-33286
614_256 att-32274
614_256 att-31269
614_256 att-28340
614_256 att-26838
614_256 att-34656