Fundamentos de PET

O exame médico PET se popularizou nas últimas décadas. Isso se deu não só por suas aplicações no diagnóstico do câncer, mas também por suaunião colaborativa com equipamentos congêneres. Entenda os fenômenos básicos por trás dessa técnica de imagem.

Justificativa para o tema desta coluna: i) a crescente popularização dos exames médicos baseados em PET; ii) os recentes avanços dessas técnicas no diagnóstico do câncer; iii) o pouco conhecimento público sobre os fundamentos físicos subjacentes a elas.

Do início. PET é a sigla, em inglês, para tomografia por emissão de pósitron ‒ este último é a antipartícula do elétron, ou seja, é positivo. Quando um pósitron encontra um elétron, eles se aniquilam. Nesse processo, a massa dos dois é transformada em dois raios gama (partículas de luz), emitidos em sentidos contrários, cada um com energia de 511 keV ‒ em tempo: eV (elétron-volt) é uma unidade de energia muito aplicada ao mundo das partículas subatômicas.

Para realizar o PET scan‒ como o exame é popularmente conhecido ‒,é preciso ter um emissor de pósitrons e, pelo menos, dois detectores de raios gama. Em princípio, qualquer radionuclídeo (elemento radioativo) que emita pósitrons pode ser usado. Mas, por uma questão de saúde, são usados os de baixa meia-vida ‒ em termo simples, aqueles cuja intensidade da radiação decai rapidamente.

PET-scans de imagens cerebrais: em A, cérebro de pessoa saudável; em B, tumor cerebral maligno (grau 3); em C, epilético com tumor benigno (grau 1)
Crédito: Wikimediacommons/Adaptação de G.Dichiro, NINDS

Carlos Alberto dos Santos
Instituto Federal de Educação
Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (Natal)

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Biohacking, o que é isso?

Privadas capazes de analisar fezes e urina. Cidades iluminadas por organismos vivos. Obras de arte produzidas por organismos geneticamente modificados. Tudo criação de biohackers!

Pioneira na genética

Primeira mulher a se doutorar em história natural no Brasil, Chana Malogolowkin descobriu uma linhagem de drosófilas que não gerava machos, e usou, pela primeira vez, os órgãos genitais dessas moscas para classificar as espécies irmãs.