Na Estante

Por um ato urgente de escuta

Kazuo Ishiguro é um escritor nascido no Japão, mas que vive na Inglaterra desde os cinco anos de idade. Esse breve histórico pessoal lhe trouxe a denominação de nipo-britânico, sinalizando para uma questão identitária importante em sua escrita. Romances, contos e roteiros para rádio e TV compõem uma obra celebrada com o Prêmio Nobel de Literatura no ano de 2017. Na ocasião, Ishiguro realizou um discurso potente sobre o ato de contar histórias que pode ser conferido na obra Minha noite no século vinte e outros pequenos avanços.

O livro gira em torno do processo de escrita por meio de relatos pessoais, descrições a respeito de métodos criativos e impressões acerca do panorama social contemporâneo. Por meio de um fala poética, alguns tópicos tomam destaque: a trajetória do autor enquanto um japonês crescido na Inglaterra, as inspirações e transformações literárias e a defesa de um otimismo em meio a um contexto marcado por racismo, movimentos de ultra direita, etc.

Jacques Ferreira Pinto

Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (CAp – UFRJ)
Pós-graduando no curso de Especialização em Educação para as Relações Étnico-Raciais na Educação Básica pelo Colégio Pedro II (NEAB Cp2 – PROPGPEC – CPII)

Minha noite no século vinte e outros pequenos avanços
Kazuo Ishiguro , Tradução: Antônio Xerxenesky.
São Paulo, Companhia das Letras, 64 p.
R$ 34,90; e-book: R$ 23,90

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Biohacking, o que é isso?

Privadas capazes de analisar fezes e urina. Cidades iluminadas por organismos vivos. Obras de arte produzidas por organismos geneticamente modificados. Tudo criação de biohackers!

Pioneira na genética

Primeira mulher a se doutorar em história natural no Brasil, Chana Malogolowkin descobriu uma linhagem de drosófilas que não gerava machos, e usou, pela primeira vez, os órgãos genitais dessas moscas para classificar as espécies irmãs.