Um tempo para cada um

O que é o tempo? Ele é igual para todos? Tem realidade física ou é mera ilusão? Essas perguntas sobre esse conceito – tão fascinante quanto intrigante –vêm sendo objeto de questionamentos por milênios.

No cotidiano,vivemos situações que nos levam a ter diferentes percepções a respeito da passagem do tempo. Em alguns momentos,ele parece ser lento e tedioso; em outros, rápido demais. De fato, como indivíduos, construímos uma percepção psicológica do tempo que, dependendo de nosso íntimo, pode ser única.

A natureza e percepção do tempo são discutidas há séculos por filósofos e cientistas. Entre as várias reflexões sobre o tempo, temos a famosa afirmação de Santo Agostinho (354-430), em seu livro Confissões:“Se ninguém me perguntar, eu sei; se o quiser explicar a quem me fizer a pergunta, já não sei”. Essa frase remete exatamente a essa percepção individual que temos do tempo.

Na física, o conceito de tempo também é central: as teorias físicas, em sua grande maioria, descrevem a evolução temporal dos fenômenos físicos. Algo simples como o movimento de um objeto –por exemplo, um automóvel em velocidade constante em uma estrada reta – leva-nos a uma equação de movimento em que relacionamos a posição do veículo a cada instante do tempo.

Adilson de Oliveira

Departamento de Física,
Universidade Federal de São Carlos (SP)

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Formigueiro matemático

Uma série de animação japonesa serviu de base para uma pergunta intrigante que custou anos para que a comunidade matemática chegasse a uma resposta aproximada. E o desafio continua.

Dos raios X à radiômica

A ideia básica da recente área da radiômica é coletar informação de um gigantesco banco de dados – aberto a toda a comunidade médica – para a análise de imagens de tumores, evitando, assim, procedimentos invasivos desnecessários.