As mil e uma utilidades das esponjas marinhas e suas bactérias

A associação desses animais aquáticos invertebrados com microrganismos é alvo de pesquisas para desenvolver medicamentos para tratar diferentes doenças e para criar processos capazes de combater até a contaminação ambiental.

Na hora do banho, na pia da cozinha, como matéria-prima de bolsas e peças de artesanato ou até para criar texturas em paredes. Ainda que suas versões sintéticas sejam mais comuns, as esponjas fazem parte do nosso cotidiano. Esponjas – ou poríferos – são animais invertebrados aquáticos que vivem fixos associados a uma superfície. Eles se alimentam pela filtragem de plâncton e de minúsculas partículas de matéria orgânica dissolvidas na água. A água penetra no corpo desses animais através de inúmeros poros, característica a que se refere o nome do grupo. Eles existem na Terra há mais de 600 milhões de anos e vêm despertando interesse cada vez maior da ciência.

Marinella S. Laport, Bruno Francesco Rodrigues de Oliveira e Jéssyca Freitas-Silva

Instituto de Microbiologia Paulo de Góes,
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Guilherme Muricy

Departamento de Invertebrados,
Museu Nacional,
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Química, religião e política

Considerado pelos norte-americanos como o descobridor do oxigênio, o britânico Joseph Priestley transitou por diversas áreas, deixando um vasto e importante legado em todas elas.

Mães fumantes, filhos obesos

Estudo em animais mostra que tabagismo durante o período da amamentação aumenta a probabilidade de bebês apresentarem sobrepeso na vida adulta, mesmo quando as mães pararam de fumar na gestação.