Na Estante

Visões pessoais da história

Livro traz relatos de personagens históricos que vivenciaram de perto a queda da Monarquia no Brasil e apresenta percepções, sentimentos e preocupações da elite monárquica brasileira sobre esse período

O livro O 15 de novembro e a queda da Monarquia, organizado pelas historiadoras Keila Grinberg e Mariana Muaze, traz relatos da Princesa Isabel e da Baronesa e do Barão de Muritiba sobre a véspera do dia da proclamação da República no Brasil e os dias seguintes, incluindo a viagem da família real e sua chegada ao exílio. A Baronesa e o Barão de Muritiba eram muito próximos da família real e a acompanharam e apoiaram em toda essa trajetória de partida do país e estabelecimento em terras estrangeiras.

A Baronesa, que se chamava Maria José de Avelar Tosta – mas é referida nos documentos por seu apelido familiar, Mariquinhas –, era amiga da Princesa Isabel desde os tempos de infância e atuou também como sua dama de companhia, quando adulta. O Barão fazia parte das famílias baianas de prestígio no Império e ocupara cargos de importância: foi oficial-mor da Casa Real, juiz de direito, desembargador da Corte da Relação, procurador da Coroa, Soberania e Fazenda e conselheiro de Dom Pedro II. Viveram próximos à família real no exílio, mantendo a convivência.

O 15 de novembro e a queda da Monarquia: relatos da Princesa Isabel, da Baronesa e do Barão de Muritiba
Keila Grinberg e Mariana Muaze (orgs.)
Chão Editora, 2019, 200p

Os relatos permitem ao leitor conhecer a visão dessas testemunhas dos fatos históricos e se aproximar de uma percepção individual, resultante do envolvimento íntimo e familiar dos autores com as pessoas envolvidas. Os escritos da Princesa Isabel e da Baronesa, de forma mais evidente que os do Barão, são carregados de pessoalidade, de detalhes e minúcias sobre o correr dos eventos vistos a partir ‘de dentro’. Essa perspectiva revela preocupações com aspectos como a saúde e a segurança dos envolvidos, bem como seus sentimentos e uma série de outros conteúdos do universo particular, que não apenas humanizam os personagens, mas também iluminam aspectos de suas condutas que o histórico de suas atitudes políticas mais conhecido dos brasileiros não permitiria sequer entrever.

 

Ricas fontes históricas

O fato de os autores dos textos serem quem eram na sociedade brasileira e na conjuntura política da época faz toda a diferença na classificação desses documentos. Trata-se de ricas fontes para entender aspectos importantes da percepção que a elite monarquista do Segundo Reinado teve dos acontecimentos que levaram à derrubada definitiva do regime.

A história dos últimos dias do Brasil Império narrada na primeira pessoa nesses escritos revela mais do que a preocupação do monarca e de seus próximos com o futuro do Brasil, ou mesmo a genuína tristeza deles em ter que deixar o país apressadamente. A incompreensão expressa na narrativa ou mesmo o silêncio – eloquente ao não mencionar a abolição da escravidão ou as expectativas de maior participação política mobilizadas pelo movimento republicano – mostram o distanciamento que essas pessoas tinham de tantas coisas que se passavam no país naquele momento.

No campo das pesquisas históricas, há algum tempo são incorporadas cartas e narrativas pessoais – como diários, por exemplo – como documentos de relevância nos estudos sobre como determinados indivíduos e grupos sociais entenderam e representaram determinados fatos e processos históricos. Esses documentos, no entanto, deixaram de ser tomados, pelo menos desde a metade do século 20, como portadores de verdades, algo que ocorreu durante muito tempo pelo simples fato de serem originados da experiência de testemunhas oculares do acontecido. Eles passaram a ser colocados no seu lugar de fontes a serem objeto da devida crítica e relativização de conteúdo, contextualizadas e referenciadas. Assim, o uso desse tipo de documento ganhou, ao mesmo tempo, mais reconhecimento, uma vez que pode contribuir para o avanço nas metodologias da investigação científica e para a produção de livros e artigos no campo da história.

 

Contraponto republicano

As organizadoras do livro relatam na apresentação como se deu seu contato com as fontes e analisam no excelente posfácio a escrita dos autores dos relatos, considerando suas trajetórias e a conjuntura da época. E agregam como anexos outras narrativas sobre os eventos, incluindo duas cartas – uma da própria Princesa Isabel a uma amiga e outra de seu marido, o do Conde d’Eu –, bem como notícias publicadas naqueles agitados dias de 1889 no jornal O Paiz, periódico republicano que chegou a ser o mais lido do Brasil no início do novo regime. Dessa forma, o leitor pode ter algumas impressões sobre o ocorrido tal como representadas e divulgadas por outros narradores da época.

O que as autoras destacam, no entanto, é algo que tanto as narrativas pessoais como os documentos produzidos por republicanos sobre a derrubada da Monarquia revelam: a ausência do povo brasileiro naqueles escritos, a negação, pelo silêncio, da importância de um Brasil negro, indígena e pobre. Essa parte majoritária do país não só se fez presente em toda a convulsão social dos anos finais do Império como também agitou o país no começo da República – haja vista a rebelião de Canudos (1896-1897), a revolta da Chibata (1910) e a rebelião do Contestado (1912-1916), para citar apenas os exemplos mais conhecidos.

Vale conferir esse ótimo livro.

Monica Lima

Instituto de História,
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Matéria publicada em 13.04.2020

COMENTÁRIOS

Envie um comentário