Tecnologia a serviço do envelhecimento

Gerontecnologia busca ferramentas para melhorar condições de saúde e interação de idosos de modo a desacelerar processo natural de desgaste físico e mental do organismo.


Não há um conceito geral para definir envelhecimento, embora haja concordância em que se trata de um processo complexo que não ocorre de modo simultâneo no organismo da pessoa

O Brasil está no centro de uma transição demográfica em que a população está envelhecendo a uma velocidade superior à média mundial. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2040, 17,41% da população terá 65 anos ou mais, índice superior ao projetado para a população jovem de até 14 anos, que é de16,80%.

Esse cenário é resultado do aumento da expectativa de vida e da diminuição da taxa de fecundidade, exigindo uma formulação de políticas e programas, como previa o primeiro instrumento internacional sobre o tema, o Plano de Ação Internacional de Viena sobre o Envelhecimento, aprovado pela Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) em 1982.

É importante ressaltar, contudo, que o envelhecimento populacional, fenômeno contemporâneo e mundial, difere do envelhecimento da pessoa. As sociedades podem envelhecer (aumentar a proporção de pessoas idosas) ou podem rejuvenescer (equilibrar a proporção entre indivíduos jovens, adultos e idosos). Por sua vez, os indivíduos envelhecem a cada ano, à medida que avança sua idade cronológica. Portanto, a realidade é distinta entre um e outro fenômeno, assim como são diferentes os problemas e desafios.

Ana Carolina Bertoletti De Marchi e Marilene Rodrigues Portella

Programa de Pós-graduação em Envelhecimento Humano
Universidade de Passo Fundo (RS)

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje