Feitiçarias e intolerância religiosa no Brasil colonial

Não foi só na Europa que a Inquisição perseguiu aqueles considerados hereges, entre eles, os acusados de feitiçaria. Nos séculos 16, 17 e 18, agentes do Tribunal do Santo Ofício da Inquisição atuaram no Brasil colonial investigando, prendendo e deportando pessoas acusadas de terem práticas ou crenças contrárias aos dogmas ditados pela Igreja Católica. Por aqui, os apontados como feiticeiros muitas vezes eram indígenas, africanos e afrodescendentes escravizados e libertos que praticavam o curandeirismo.

Tão presente nos dias de hoje no Brasil, a intolerância religiosa foi intensa e violenta em nosso passado colonial. Naquela época, na Europa, acreditava-se na ação efetiva de demônios e bruxas. A mentalidade mágica fazia parte do cotidiano da sociedade, e havia a crença de que indivíduos tinham poderes sobrenaturais para curar doenças ou, por meio de ‘feitiços’, fazer o bem ou o mal. Com a colonização portuguesa, a partir do século 16, chegaram aqui homens e mulheres que alimentavam essas crenças e praticavam ritos que, aos poucos, ganharam força e se difundiram pela nova sociedade que se construía no Brasil.

Muitos intelectuais – religiosos ou não – escreveram obras sobre a influência de Deus e o Diabo na vida das pessoas. A grande preocupação eram as influências ‘demoníacas’; e todos aqueles apontados como seguidores desse grande personagem, o Diabo, eram marcados como bruxos ou feiticeiros e, portanto, considerados hereges. Herege era todo aquele que tinha uma crença ou prática contrária às doutrinas da Igreja Católica. Por isso, a instituição não media esforços para persegui-los.

O auge dessa violenta repressão à feitiçaria na Europa, de modo geral, ocorreu entre 1560 e 1630, acompanhado por uma vasta quantidade de publicações sobre o tema, principalmente no centro e no norte do continente. Só na França, na segunda metade do século 16, foram escritos mais de 30 tratados por teólogos e juristas. Em Portugal, menos textos foram escritos em comparação com o restante da Europa. Ainda assim, existiram e enfatizaram, principalmente, a descrição de um pacto demoníaco, ocasião em que o Diabo seduzia o indivíduo com poderes sobrenaturais, riquezas, habilidades curativas ou dotes divinatórios, em troca de sua subserviência, de sua alma, sendo esse compromisso expresso por alguns símbolos, como sangue, partes do corpo, como dedos e unhas – e outros, ofertados ao seu futuro servo, como anéis.

Daniela Buono Calainho

Faculdade de Formação de Professores,
Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje