O que é literatura?

Para definir as narrativas literárias é preciso ir além das diferenças entre fato e ficção, entre verdade histórica e verdade artística.

Penso que seja bastante apropriado ao espírito científico inaugurar essa coluna, onde pretendo me debruçar sobre narrativas literárias, com uma reflexão sobre o que é literatura. Terry Eagleton, em Teoria da Literatura, destaca uma questão complexa e de extrema importância para os profissionais cujo livro é o principal instrumento de trabalho. Para ele, definir o que vem a ser literatura não é tarefa fácil, pois essa definição deve levar em conta diversos aspectos, como os tempos e contextos em que as narrativas são produzidas.

Dizer, por exemplo, que literatura é a “escrita imaginativa” não resolve o problema, pois as diferenças entre fato e ficção, entre verdade histórica e verdade artística não são suficientes. As histórias em quadrinhos, por exemplo, não são verdadeiras, são narrativas fictícias, no entanto, não são consideradas literatura por grande parte dos críticos. O mesmo podemos afirmar das narrativas religiosas – bíblicas, de matriz africana, orientais etc. – que tanto podem ser lidas como ficção ou como realidade histórica, a depender da crença ou descrença de cada leitor.

O filósofo e escritor inglês G. K. Chesterton (1874-1936), mais dedicado a escrever ensaios e análises críticas de obras do que a fazer ficção, diz, em ‘O Defensor’, que “a literatura é um luxo e a ficção, uma necessidade”. Isso porque partilha da crença de que todos temos necessidade de ficção. O homem cria e partilha histórias desde que está no mundo, como recurso para entender, interpretar e construir esse mundo.

Um grupo de antílopes ou de qualquer outro animal sedento, ao se aproximar do leito de um rio e o encontrar seco, sai em busca de outro rio, e, se não o encontra, acaba por morrer de sede. Os humanos, na mesma situação, depois de buscarem incessantemente outras fontes, antes de se entregarem à morte vão interpretar, rezar, dançar, buscar culpados e inventar rituais para convencer os espíritos a mandarem chuva. Isso é criar história, é ficção e, de acordo com a escritora canadense Nancy Huston, em ‘A Espécie Fabuladora’, é necessidade.

Para Huston, a diferença entre nós e os animais é a mesma que existe entre consciência e inteligência, ou seja, o fato de existir e de se ter a consciência da existência. “A consciência é a inteligência mais o tempo, ou seja: a narratividade”, a ficção, a fabulação, a criação, a mimese.

Na poética, o filósofo grego Aristóteles diz que o ser humano é o animal mais mimético de todos, desde a infância realiza a mimese, pois é assim que apreende o mundo a sua volta, que o entende e o interpreta. É também o único que realiza a mimese com consciência. Isso quer dizer que todo ser humano é poeta? Não. Mas quer dizer que todo ser humano, se quiser, pode ser, mas para sê-lo precisa reconhecer o que decide imitar (gente, objeto, animal, ação), para depois manipular e elaborar esse material, dando-lhe forma de poesia, canto, drama, tragédia etc. Segundo Aristóteles, a diferença entre o poeta e o historiador é que o segundo narra os fatos que aconteceram e o primeiro, o que poderia acontecer ou o que ele deseja que aconteça.

Georgina Martins

Professora aposentada da Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Programa de Mestrado Profissional em Letras (Profletras)

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-27930
614_256 att-27650
coringa
614_256 att-27031
614_256 att-26983
614_256 att-26974
614_256 att-26908
614_256 att-26891
614_256 att-26895
614_256 att-26875
614_256 att-26838
614_256 att-26828
614_256 att-26815
614_256 att-26809
614_256 att-26776

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-79333
725_480 att-78817
725_480 att-78453
725_480 att-77795
725_480 att-76481
614_256 att-66241
614_256 att-74312
614_256 att-73430
614_256 att-73106
614_256 att-72333
614_256 att-72017
614_256 att-71095
614_256 att-70670
614_256 att-57088
614_256 att-56106