Imagens e aventuras de Hercule Florence

Radicado no Brasil desde jovem, o desenhista francês que estudou o canto das aves e técnicas de impressão é autor do mais antigo registro fotográfico das Américas.

 

Ao embarcar no navio Marie Thérèze, em fevereiro de 1824, em direção às Américas, o jovem francês Hercule Florence não sabia que sua jornada, embalada pelo livro Robinson Crusoé, do escritor inglês Daniel Defoe, seria um caminho sem volta, fazendo do Brasil a sua pátria permanente.

Nascido na cidade de Nice, na França, em 29 de fevereiro de 1804, Antoine Hercule Romuald Florence era filho do cirurgião do exército Arnaud Florence e de Augustine de Vignallys. Tinha um admirável talento para o desenho e, como autodidata em matemática e física, desenvolveu desde cedo ideias e projetos inovadores.

Em maio de 1824, Florence fixou-se no Rio de Janeiro, trabalhando, primeiro, em uma loja de tecidos e, mais tarde, como responsável por executar litografias em uma tipografia. Seu espírito aventureiro, porém, falou mais alto e, em 1825, candidatou-se ao cargo de segundo desenhista da expedição científica do barão de Langsdorff, patrocinada pelo governo imperial da Rússia para coletar e catalogar, pelo interior do Brasil, minerais, espécies de fauna e flora locais e fazer estudos etnográficos. O barão Langsdorff não só ganhou um desenhista talentoso como um exímio cartógrafo prático.

Retrato de Hercule Florence, o pioneiro da fotografia.
Crédito: Acervo do Museu Paulista da USP

Rosangela Pertile

Escola de Belas Artes,
Universidade Federal do Rio de Janeiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje

CONTEÚDO RELACIONADO

Qual é a sua inteligência?

Estudo sugere que não há apenas um pico de atividade intelectual ao longo da vida, mas que a mente vai se aperfeiçoando por meio de habilidades específicas distribuídas para cada idade.

Do mar aos coprólitos e à saúde silvestre

Frustrada em uma expedição com Jacques Custeou, a bióloga Marcia Chame desistiu da biologia marinha e abraçou a paleoparasitologia, contribuindo para a conservação da biodiversidade e conquistando diversos prêmios na área