Índices de vegetação: o que dizem?

Desde os anos 1960, muitos índices foram propostos com o intuito de facilitar o diagnóstico e o monitoramento de áreas verdes no mundo todo. Esses valores são usados na análise de variados problemas.

 

Os índices de vegetação são um importante meio para identificar e diferenciar a cobertura vegetal. Esses índices são baseados no comportamento espectral, ou seja, na forma com que determinados corpos ou coberturas da superfície terrestre (vegetação, água, construções etc.) respondem à energia que incide sobre eles, como a do Sol. Eles foram propostos para o mapeamento da cobertura vegetal e, ao longo do tempo, passaram a ter outras aplicações.

Mapear significa ser capaz de identificar e delimitar determinadas coberturas. Para isso, é preciso saber caracterizar bem as áreas, de forma a não gerar confusão.O monitoramento da cobertura da superfície terrestre baseia-se, muitas vezes, em índices que sejam capazes de detectar mudanças.

A representação da vegetação através de um índice de vegetação (no caso, o NDVI) é sensível a mudanças sazonais, como pode ser observado na fi gura, que ilustra a vegetação estacional (com perda de folhas no período seco) aumentando. Observe a diferença do Cerrado e da Caatinga entre os meses de janeiro e agosto.

 

A elaboração de índices representativos de uma dada realidade não é fácil. Antes de tudo, é preciso saber que, para simplificar, é necessário generalizar. Os índices de vegetação são baseados em princípios físicos e foram construídos a partir de leituras repetidas, realizadas in situ, da reflectância de uma folha sadia, ou seja, da relação entre a intensidade de luz que incide sobre a folha e aluminosidade que é por ela refletida. Essas leituras são feitas para todos os tipos de radiação do espectro eletromagnético e possibilitam a elaboração de curvas teóricas do comportamento espectral da vegetação.

Carla Madureira Cruz

Departamento de Geografia, Instituto de Geociências
Universidade Federal do Rio de Janeiro

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Para acessar este ou outros conteúdos exclusivos por favor faça Login ou Assine a Ciência Hoje.

Seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Outros conteúdos desta edição

614_256 att-34144
614_256 att-33970
614_256 att-33957
614_256 att-33797
614_256 att-27650
614_256 att-33754
614_256 att-33744
614_256 att-33685
614_256 att-33647
614_256 att-33639
614_256 att-33622
614_256 att-33596
614_256 att-33587
614_256 att-33344
614_256 att-33330

Outros conteúdos nesta categoria

725_480 att-78545
725_480 att-78444
725_480 att-77334
725_480 att-76516
614_256 att-74235
614_256 att-72377
614_256 att-73097
614_256 att-74328
614_256 att-73500
614_256 att-70713
614_256 att-71871
614_256 att-64598
614_256 att-57301
614_256 att-71325
614_256 att-56170